sábado, 27 de dezembro de 2008

França ( Tarnac ) e o terrorismo de estado!


De 15 a 25 de Janeiro

Apoio aos acusados de Tarnac

10 dias de agitação contra as leis antiterroristas

A situação de Tarnac terá pelo menos uma vantagem, a de ter posto em causa e publicamente a forma como são aplicadas as leis antiterroristas.

E já o vimos!

Os objectivos reais e os poderes entregues a um Estado que se dotou de leis de excepção.

A necessidade da construção de um inimigo interior justificada pela questão da segurança.

No seguimento da danificação das catenárias do TGV, nove pessoas foram acusadas de associação de malfeitores com propósitos terroristas. E dois estão na prisão.

O que poderemos reter de toda esta história? A operação do tipo militar com o objectivo de encontrar os “suspeitos”, o circo mediático em torno da captura dos perigosos terroristas, o interrogatório dos suspeitos durante 4 dias seguidos, os dossiers incriminatórios vazios?

Tudo isto foi visto, dito e redito até à exaustão.

O esvaziamento da presunção da inocência? O delito de opinião? A vaga de indignação?

Esta será só mais uma notícia esquecida por uma actualidade que se quer sempre fresca.

Mas a ameaça permanece.

Ameaça que pesa sobre aqueles que continuam a ler, ver e escrever livros perigosos. Os que não se satisfazem com a ordem existente e que aí tentam encontrar as falhas. Os que, neste mundo, não conseguem conceber a própria existência sem a luta. Nós que, oficialmente, somos, doravante, os terroristas.

Existem, de facto, aspectos a compreender. A questão de Tarnac não é um erro judicial. Não somente, pelo menos. É uma ilustração, a mais flagrante por ser a primeira, daquilo que se tornou a lei no momento do antiterrorismo. Onde o estado de excepção cessa de ser uma profecia da eterna Cassandra, para se tornar efectiva e visivelmente o regime em que vivemos.

Por toda a França e em outros países, comités de apoio foram criados ou estão em formação. É primordial que tudo isto não desapareça numa indigestão de peru de Natal e de novas novidades.

Passadas as comemorações, prevemos que se organizem durante dez dias, de 15 a 25 de Janeiro, o máximo de iniciativas, concertos, projecções, debates, com o objectivo de fazer ressurgir esta questão, com o objectivo de serem reavaliadas as acusações que pesam por sobre os nossos companheiros e que sejam libertados os que se encontram presos. É necessário que esta operação do ministério do interior se transforme numa primeira e grande derrota para todos aqueles que querem criminalizar a acção política.

Isto permitirá igualmente anunciar e preparar uma grande manifestação nacional para dia 31 de Janeiro.

E se todas estas iniciativas permitirem também a recolha de fundos para o comité de apoio, tanto melhor, embora esse aspecto não seja o mais importante.

O sucesso destes 10 dias de solidariedade vai depender essencialmente da capacidade de mobilização dos que nos apoiam ou querem apoiar-nos.

Muito mais que ajuda, precisamos de iniciativas.

Não temos uma comissão nacional, temos poucos meios e ausência de uma coordenação permanente entre os diferentes comités. No entanto, alguns de nós poderão estabelecer ligações entre aqueles que se organizam, podendo nós, por outro lado, difundir a informação de forma mais alargada possível.

Quer dizer:

( 1 ) se forem suficientes numa cidade, constituam um comité de apoio que tenha a capacidade de trabalhar acções e notícias ao nível local. Enviem-nos um texto, um e-mail, uma data de reunião pública e nós divulgaremos no site;

(2) se dispõem de meios para organizar uma ou várias iniciativas nas referidas datas, nós anunciaremos. Poderemos igualmente fazer passar toda a informação e material necessário para uma conferência de imprensa e, eventualmente, participar caso possamos;

(3) se são um grupo de músicos sem espaço, ou um espaço sem grupo, nós trataremos de vos pôr em contacto uns com os outros

(4) Finalmente, poderemos concentrar-nos na organização de iniciativas de maior dimensão. Se conhecem outros grupos ou gerentes de auditórios de grandes dimensões, dispostos participar, podem fazer-nos chegar o respectivo contacto que será uma ajuda preciosa.

Pouco mais de um mês para organizar todas estas coisas, é muito curto. Há uma certa urgência.

Podemos mudar o vento. Criemos uma tempestade.

Sabotemos o antiterrorismo.

Contacto para a organização destes 10 dias de apoio ao caso de Tarnac:

soutienconcerts.tarnac@gmail.org

Para outro tipo de informação, o site na internet dos diferentes comités de apoio:

www.soutien11novembre.org

E para outras mensagens, ou simplesmente para te juntares à nossa mailing list e receber notícias:

11novembre-soutien@gmx.com