sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Apreensão de computador em lisboa, no passado dia 10 de setembro

No passado dia 10 de setembro, um computador foi apreendido e uma pessoa foi constituida arguida por, alegadamente, ter colocado um post na rede libertaria. (http://redelibertaria.blogspot.com/2009/01/blog-post.html).


Segundo o email recebido pela rede libertaria, no passado dia 10 de setembro pelas 8 horas da manhã, a policia judiciaria (secção de combate ao terrorismo e banditismo), entrou numa casa em lisboa, com mandato de busca e apreensão. Os 3 agentes da PJ vasculharam duas divisões da casa, tiraram fotografias, recolheram literatura e material informático (computadores, discos externos e dvds).

Em seguida, " fui levado à secção de combate ao terrorismo e banditismo da polícia judiciária, na av. columbano bordalo pinheiro, onde acabei por ser informado do que sou acusado. deram-me como arguido num processo por difamação e
incitação à violência.
Na base deste processo está um post colocado no blog em http://redelibertaria.blogspot.com/2009/01/blog-post.html. Mostraram-me documentos (do google e da pt) que dizem ter havido uma ligação da parte de um administrador do site a partir da minha linha adsl de acesso à internet num dia do princípio de fevereiro deste ano. Sendo que a minha rede está aberta e acessível a alguma distância da minha casa, não é possível eu conseguir saber quem terá postado o post."

A PJ ficou com um computador.


Nada nesta situação nos surpreende. Não esperamos NADA desta ou de qualquer outra polícia.

O disparar para todos os lados da PJ acertou, aleatoriamente, num indivíduo que nada tem a ver com o projecto da rede libertária e, mesmo se tivesse, é pidesca a forma como a polícia entra, remexe, vasculha, leva o que bem lhe apetece, quando bem lhe apetece, como bem lhe apetece, sempre com o selo branco do Estado.

Ficar simplesmente indignado com esta situação parece-nos ridículo.
A continuação de um ataque cerrado contra o Estado e toda a autoridade encontra aqui mais um dos seus motivos.

Rede Libertária