domingo, 18 de janeiro de 2009

Carregamento policial na zona pedonal de Almada durante celebração da mesma!! - Sexta - feira, 16 de Janeiro



Violência policial na celebração da zona pedonal de Almada
.
Na 6ª feira, 16 de Janeiro, decorreu uma celebração na praça do MFA, no centro da zona pedonal de Almada, cujo objectivo era reclamar a zona
pedonal para os peões (visto que ela é todos os dias atravessada por centenas de carros, autocarros, taxis, tornando-a, talvez, na "zona pedonal" menos pedonal do mundo...).
.
Uma iniciativa pacífica, de festa e celebração, com jogos com crianças, lanche, distribuição de informação,música e sobretudo muita festa. Por volta das 18h, a banda Ritmos de Resistência estava já a tocar há algum tempo, andando pela zona pedonal, incomodando (assim como os carros incomodam as pessoas numa zona pedonal) mas não bloqueando o trânsito. Um grupo de polícias veio a correr na nossa direcção, empurrando violentamente várias pessoas da banda. Agarraram então uma rapariga que estava com a sua filha bebé ao colo e empurraram-na bruscamente da frente de um carro.
Um dos polícias ameaçou a rapariga dizendo-lhe "se não sais do meio da rua, bato no teu bebé". .
.
Logo imediatamente a polícia reparou que havia uma pessoa com uma máquina de filmar perto da rapariga e foi-lhe tentar apreender a máquina, ao que essa pessoa, pacificamente, se recusou, pois não estava a perceber para que os agentes queriam o filme. Perante isto pediram-lhe a identificação ao que ele respondeu que o faria apenas depois de o polícia também se identificar (pois nenhum dos agentes presentes tinha identificação). Apartir daí a actuação da polícia tornou-se mais violenta e as respostas eram invariavelmente do tipo "eu dou-te a minha identificação, o caralho"ou "se me continuas a pedir a identificação levo-te detido".
.
Várias pessoas foram mandadas ao chão e a pessoa que estavam a tentar identificar foi imobilizada por 4 ou 5 agentes de uma forma completamente desproporcionada. Uma pessoa que estava a tirar fotos da agressão foi então agredida por um polícia que lhe tentou tirar a máquina fotográfica, mandando-a ao chão, e que quase lhe partiu um dedo. Várias pessoas foram obrigadas a apagar as fotos que tinham da actuação policial. Outra pessoa, ao aproximar-se da situação, foi socada na barriga por umagente. Ao mostrar a sua indignação foi ameacado fisicamente: “dei-te uma e volto-te a dar, filho da puta”. Ao que levou outro murro e o agente ainda acrescentou “se eu não estivesse fardado já te tinha fodido todo”.
.
Essa pessoa caiu então por cima da que estava a ser detida e o grupo de polícias começou a dar bastonadas de uma forma extremamente violenta.Nesta confusão outro jovem aproximou-se e levou uma bastonada na cabeça, ficando a jorrar sangue. Uma senhora que se encontrava a ver toda esta situação (juntamente com muitas outras pessoas que entretanto se tinham juntado) foi também empurrada por um agente e caiu ao chão, tendo batido com a cabeça.
.
Um agente à paisana que entretanto tinha tirado o distintivo aproximou-se de algumas pessoas da banda e disse para um dos seus elementos “eu sou psp, voltas-te a meter com os meus colegas e eu faço-te a folha, filho da puta”.
.
Já na esquadra as agressões continuaram quando as pessoas tentaram saber das pessoas que tinham sido detidas. E só aí, e com a presença do advogado, é que foi possível obter a identificação de alguns dos agentes envolvidos. O balanço desta festa/celebração foi: muita animação, convívio e festa mais três feridos e dois detidos.
.
Consideramos toda a acção da polícia completamente desproporcionada e desnecessariamente violenta. Foi chocante o clima de impunidade em que vive a polícia. Quando se informaram os agentes de que seria apresentada queixa pelo seu comportamento as respostas foram risos e gozo.
.
Para lutar contra a violência policial e para continuar a exigir uma verdadeira zona pedonal no centro de Almada, no próximo dia 23 de Janeiro,às 16h, lá estaremos, de novo, a defender um espaço que deve ser de todosos cidadãos...