segunda-feira, 30 de novembro de 2009

sábado, 28 de novembro de 2009

[Alemanha] Protesto contra desocupação de espaço libertário em Berlim reúne milhares de pessoas


Após 20 anos de ocupação o espaço Brunnenstraße183, em Berlim, foi despejado nesta última terça-feira (24), numa operação que envolveu cerca de 700 policiais, com equipamentos especiais. A intervenção policial, a mando do proprietário do prédio, contou com o bloqueio de todas as ruas de acesso ao imóvel.

Em reação, a ativa cena libertária da capital alemã, em menos de dois dias, se mobilizou e botou aproximadamente 3.000 pessoas nas ruas da cidade, nesta quinta-feira (26), contra o despejo e evacuação dos espaços ocupados berlinenses.

O protesto começou em torno das 20 horas, na Praça Laranja (um ex-reduto do movimento squatter) no bairro de Kreuzberg, com cerca de 800 participantes, e foi engrossando pelas ruas de Berlim, até chegar por volta de 3000 pessoas (a imprensa diz 1800). A manifestação sempre esteve vigiada e cercada pelas forças de segurança.

A partir da Praça Rosenthaler foram registrados choques entre manifestantes e a polícia. Os manifestantes jogaram garrafas e pedras contra os policiais. A polícia respondeu com canhões de água. Algumas pessoas foram detidas.

Neste momento outros espaços ocupados em Berlim estão sob a ameaça de despejo pelos proprietários e especuladores imobiliários, cuja atividade consiste, especialmente, em comprar projetos “podres” e gentrificá-los, transformando-os em lugares yuppies.

Berlim está sendo totalmente reestruturada num gigantesco processo de gentrificação, com as pessoas com menos recursos sendo expulsas e removidas para bairros mais afastados de Berlim.

Galeria de imagens da manifestação: http://www.flickr.com/photos/mikaelzellmann/sets/72157622760491831/

Vídeo do despejo do Brunnenstrasse 183: http://www.youtube.com/user/spreepirat0107 # p/a/u/0/ew6r8y1YKi8

agência de notícias anarquistas-ana

Mais um antifascista assassinado em Moscovo por nazis

(não fales à toa, o inimigo está à escuta)

Na noite de 2ª-feira, 16 de Novembro, Ivan “Vanya Kostolom” Khutorskoy, um antifascista de 26 anos, foi assassinado à entrada da sua casa, num bairro na parte este de Moscovo, com dois tiros na cabeça.

Notícia completa em Castelhano, retirada de Alasbarricadas.org

En la noche del lunes, 16 de noviembre, Ivan “Vanya Kostolom” Khutorskoy, antifascista de 26 años, fue asesinado a la entrada de su casa en la calle Khabarovsk, en un barrio del este de Moscú, de dos tiros en la cabeza, según algunas fuentes.
Vanya era una figura destacada del movimiento antifascista ruso y estoy seguro de que mucha gente le recordará durante los próximos días, meses y años. Pero a día de hoy, la mayoría de sus amigos están demasiado furiosos y afectados por la pérdida de su amigo y compañero.
Mis primeros recuerdos de Vanya se remontan a eso del 2004. Yo llevaba una distribuidora anarquista en un concierto celebrado en el R-Club. En aquel entonces no iba a demasiados conciertos, de modo que la mayoría de caras no me sonaban.

Fue antes de que, tras el asesinato de Sasha Ryukhin, la escena hardcore moscovita pasara por completo a la clandestinidad. Así pues, el concierto había sido anunciado públicamente y no había forma de saber a ciencia cierta quién podría haber por ahí. Por eso yo me sentía un poco receloso de los skinheads, especialmente de uno muy grandote. Pero no había por qué preocuparse, porque Vanya probablemente fuese la mejor garantía en caso de que hubiera follón.
No sé de dónde le pudo venir su apodo de “Kostolom”, “rompehuesos”. Quizá fuese algún tipo de coñita, porque es difícil imaginar a alguien más majo y con mejor humor que Vanya.
La última vez que le vi fue durante el torneo de artes marciales “No surrender” organizado en Moscú el pasado 10 de octubre. El torneo había sido organizado en memoria de otro antifascista asesinado, Fyodor Filatov. Como se puede ver en la foto, Vanya era el árbitro. Tenía una buena formación en sambo, un arte marcial desarrollado en la Unión Soviética que sigue siendo muy apreciado en la zona. Tuvo cierto éxito en torneos y logró el título de Candidato a Maestro del Deporte Ruso (equivalente a campeón nacional). También compitió haciendo pulsos. Todo ello explica, entre otras cosas, el miedo y el odio que le tenían los nazis, que tratan de retratar a sus enemigos como gente débil y viciosa. Pocos de ellos hubieran podido enfrentarse a él en un combate justo y por eso le atacaron con navajas, destornilladores, cuchillos y, cuando nada de eso les sirvió, con una pistola.
Antes de eso, la última vez que estuve con él fue durante el concierto de Ska-P en mayo pasado. Ninguno de mis amigos podía permitirse los 30 euros que costaba la entrada, pero decidimos ponernos fuera a repartir propaganda antifascista gratuita. Al fin y al cabo, en el cartel del concierto los del grupo llevaban camisetas antifascistas, que puede que no signifiquen gran cosa en España, pero que en Moscú le puede costar la vida a un músico. Lo cierto es que repartir material a la entrada podía ser igual de peligroso que ir repartiéndolo por la calle a desconocidos. Vanya y alguna gente más se encargaron de cubrirnos.
La reacción a nuestra propaganda por parte de los fiesteros mediopijos y los punks fue diversa; evidentemente, muchos habían ido sólo por la fiesta. Hubo una llamada telefónica: otro grupo de compañeros estaba teniendo problemas unos pocos kilómetros al sur, donde les perseguía una chusma de nazis. Nuestra cobertura tuvo que acudir a resolver el asunto. Aquella noche no tenía planes de follón, pero no me quedaba otra opción; después de haberme pasado la noche repartiendo cientos de panfletos antifascistas, irme solo a casa hubiera podido costarme cinco pulgadas de acero entre las costillas. Así que fui con ellos.
Encontramos a la otra gente y nos reagrupamos. Vanya advirtió que no atacásemos apenas aparecieran los nazis para que no se dieran cuenta de que ahora éramos más y se fueran corriendo. Pero la gente no pudo contenerse. Gracias a los más de 100 metros de distancia que aún nos separaban, todos los nazis pudieron escapar corriendo por callejuelas y saltando vallas. Yo estaba en mala forma, así que no pude correr tanto como los demás. Vanya no corrió porque sabía que no tenía sentido. Así que nos quedamos atrás junto con algunas chicas que habían evitado la primera línea y juntos miramos si había algún nazi escondido en el callejón de al lado.
Aquella misma noche hubo otro reagrupamiento, se patearon algunos culos y se perdieron algunas ocasiones. Para mí fue una noche extraña, pero hay que pensar que para Vanya pegar a los nazis era algo tan rutinario como levantarse por la mañana. Probablemente tuviera cientos de anécdotas similares.Vanya era un rostro conocido en el mundillo punk desde principios de siglo. Las páginas web “anti-antifas” tenían amplias galerías de fotos suyas, las más antiguas cuando llevaba cresta. No formó parte de la primera generación antifa de Moscú que se junto en la primavera del 2002, pero cuando se unió a ellos en el 2003-2004, fue para quedarse.
A veces, después de tragedias como esta, se produce una triste competición en la que todo el mundo quiere reclamar al héroe muerto como propio, como ocurrió con Stanislav Markelov, que en vida era un guasón que le contaba a los anarquistas que era socialdemócrata y, a trostkistas y estalinistas, que era anarquista. Por joder.

Este tipo de disputas póstumas estarían fuera de lugar en el caso de Vanya, puesto que cualquier peñita o gente dentro del mundillo le reconocía como uno de ellos, mientras que era querido y respetado por todos. Vanya se consideraba un skinhead RASH, aunque tampoco le importaba que los Moscow Trojan Skinheads, apolíticos y patrióticos, le consideraran uno de ellos. Evidentemente, los anarquistas le consideraban anarquista, y es cierto que se posicionaba por lo antiautoritario y lo social, además de que siempre estaba dispuesto a ofrecer seguridad en los actos anarquistas. Pero él no vivía para el activismo: lo suyo eran las calles y el punk rock.
Era listo como él sólo, y terminó sus estudios de Derecho con un “título rojo”, que es un título “cum laude” que se da a los estudiantes del espacio de la antigua Unión Soviética que sólo han obtenido las mejores calificaciones posibles. Dado que hay poca gente con estudios de Derecho en el mundillo, yo tenía la esperanza de que Vanya se uniera a las filas de los abogados activistas cuando algún día abandonara la lucha en la calle; antes de ser asesinado, Stas Markelov estaba desbordado de casos relativos al movimiento y tenía problemas para hacerse cargo él solo. Vanya y Stas se conocían bien, y Vanya se encargó de la seguridad de algunas de las conferencias de prensa que dio Stas. Últimamente, Vanya trabajaba como abogado en un centro de “Deti ulitsy” (“Niños de la calle”), que trabajan con niños de la calle y otros niños con problemas.
Ahora todo el mundo se pregunta por qué fue a su piso aquella noche, si su dirección aparecía en un montón de páginas web nazis. Vanya solía quedarse a dormir en casa de otros. Quizá tuviera algo importante que resolver con su familia, quizá es que, después de haber sobrevivido a tantos intentos de asesinato, se reía de la muerte.
Vanya fue asaltado por primera vez en el 2005 y le cortaron en la cabeza con una navaja de afeitar. Una videocámara registró el incidente y se usó como material para un documental del canal televisivo NTV, que puede verse aquí: http://rutube.ru/tracks/663741.html?v=242f56ae5e0dca6e5c9d77cc8558fb5d.
La vez siguiente, en otoño del mismo año, intentaron matarle; le clavaron 6 veces en la cabeza un destornillador afilado, que es un arma muy usada por los nazis rusos y se clava más que los cuchillos. Cualquiera de los golpes hubiera podido ser letal, pero afortunadamente ninguno perforó ninguna arteria y sobrevivió. El incidente también fue registrado por una videocámara, pero la policía no parecía interesada y ni siquiera quisieron ver la grabación. A Vanya le costó más de medio año recuperarse del ataque.
En enero de este año, Vanya fue apuñalado en el estómago durante una lucha callejera; la herida también hubiera podido ser mortal, pero sobrevivió.

Y ahora, cuando todo lo demás les había fallado, los nazis han recurrido a las armas de fuego y, desgraciadamente, han tenido éxito.
El padre de Vanya murió hace pocos años y vivía con su hermana y su madre. Se agradecerá cualquier aportación para que su familia y amigos puedan costear el funeral; se puede usar la cuenta Yandex 41001411894609, o, para quien no sepa cómo funciona, donar a través de la Cruz Negra Anarquista de Moscú: http://www.avtonom.org/donate.

En ese caso es mejor avisar a la CNA-Moscú (abc-msk EN riseup PUNTO net e indicar en la transferencia que es “for Kostolom friends and family”).
Fuente: http://avtonom.org/index.php?nid=2857


(Traducción: Chief Salamander.)

SÁBADO, 5 DE DEZEMBRO, CONCERTO BENEFIT C.C.L.

Na Kyläkancra
21H
ENTRADA CONTRIBUIÇÃO SOLIDÁRIA para o C.C.L.

Concerto com:
VICE PRESIDENTS (GRINDCORE PAIS BASCO)
SEM TALENTO (CRUST STO. ANDRÉ)
BARAFUNDA TOTAL (HARDCORE LISBOA)
O CONTO DO VIGÁRIO (HORROR PUNK LX)
SOPAS DE CAVALO CANSADO (PUNK SACAVEM)
CASAL DE LESTE (ROCK POPULAR LISBOA-CALDAS)

(em breve publicaremos cartaz para poderes divulgar também)

mapa da Kyläkancra
Subúrbios de Setúbal

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Contra o despejo do Centro de Cultura Libertária: RESISTÊNCIA E SOLIDARIEDADE!


O Centro de Cultura Libertária, espaço anarquista existente há 35 anos em Cacilhas, encontra-se ameaçado de despejo pelo proprietário. Após sentença do Tribunal de Almada, emitida no dia 2 de Novembro de 2009, foram dados 20 dias ao CCL para abandonar as suas instalações. O Centro de Cultura Libertária recorreu desta decisão do Tribunal, no passado dia 19 de Novembro, suspendendo a ordem de despejo.


Agora, aguarda-se a decisão do Tribunal sobre o recurso, que pode anular a decisão de despejo, levar a um novo julgamento ou reiterar a sentença já emitida. Não se pode prever qual será a decisão ou quanto tempo esta levará a ser tomada. Sabemos apenas que, caso o recurso seja recusado, teremos dez dias apenas para abandonar o espaço do CCL.

O Centro de Cultura Libertária vive momentos de absoluta incerteza quanto ao seu futuro. Mas uma coisa é certa: faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para dar continuidade ao CCL e para manter o espaço que este ocupa há 35 anos. Para tal precisamos da solidariedade de todxs xs que se revêem no CCL.

Para já o apoio monetário continua a ser muito importante, já que suportamos custos muito elevados para uma associação que vive apenas das contribuições dos seus associados e simpatizantes. O recurso custou-nos 2.000 euros em honorários do advogado e mais 75 euros da “taxa de justiça”. Em caso de perda do recurso, poderemos ter de pagar as custas judiciais. A salvaguarda do espólio do CCL, em caso de despejo, dará certamente lugar a novas despesas.

A motivação do proprietário do prédio é clara: despejar uma associação que paga uma renda mensal baixa (51 euros) e cujo contrato só pode ser rescindido através de uma acção de despejo, abrindo assim o caminho à rentabilização do espaço.
O papel do tribunal também é claro: defender o interesse dos proprietários e a propriedade privada, alicerces essenciais deste sistema baseado na desigualdade e na exploração.

Actualmente, o CCL é um dos raros locais anarquistas que se mantém em Portugal, único pela sua longevidade e pelo papel de preservação da memória histórica libertária que desempenha, mas também pela ligação afectiva que gerou em várias gerações de anarquistas, que nele encontraram um espaço de aprendizagem, de experimentação e divulgação das suas ideias.

O Centro de Cultura Libertária encarregar-se-á de agir a nível local, procurando a todo o momento, divulgar e estimular a revolta contra uma situação da qual não somos os únicos alvos. Encorajamos todas as formas de solidariedade dxs companheirxs que desejem potenciar a nossa luta noutros lugares.

Saúde e Anarquia!

Centro de Cultura Libertária
23 de Novembro de 2009



Contacto:

E-mail: ateneu2000@yahoo.com
Correio: Apartado 40 / 2800-801 Almada / Portugal
Blog: http://culturalibertaria.blogspot.com



Dados da conta bancária do CCL, para donativos:

Titular/ Owner:
CENTRO DE CULTURA LIBERTÁRIA

Para transferências em Portugal / For transfers inside Portugal:
NIB: 003501790000215493029

Para transferências do estrangeiro / For foreign transfers:
IBAN: PT50003501790000215493029
BIC: CGDIPTPL

Em praias de Betão, em vez de areia, há alcatrão.

O seguinte texto foi distribuido nas ruas de Setúbal.


Em praias de Betão, em vez de areia, há alcatrão.

Sobre os projectos capitalistas na região de Setúbal e a necessidade de os confrontar.

Grandes projectos de desenvolvimento têm, ultimamente, nascido a uma velocidade alucinante. Consequência do progresso, do capitalismo e em grande parte, consequência também da nossa inactividade já que nos tornámos espectadores assíduos da destruição da Terra e do controlo social.

[O que querem fazer aqui?]

Governantes, autarcas e empresários têm aprovado e posto em prática toda uma série de projectos de desenvolvimento turístico no sul de Portugal que, segundo o seu discurso, apenas nos trarão benefícios. As razões que levam a que zonas como a Península de Tróia e a Costa Vicentina sejam de especial interesse para a construção destes projectos são várias, mas muitas mais são as razões para não querermos nenhum deles à nossa volta.

Neste cantinho onde vivemos, nos confins da Europa, tem-se desenvolvido um tipo de economia baseada quase exclusivamente na indústria turística e em geral no sector dos serviços. Paralelamente, aprovam-se leis e portarias que restringem o uso de praias e a prática de pesca, que servem para enquadrar legalmente este tipo de indústria. Sob o nome de projectos de Potencial Interesse Nacional (PIN) pode-se construir tudo o que se queira e em qualquer lado já que vários processos (aprovações de projectos, alvarás, etc. etc.) são agora mais rápidos e eficientes. Locais onde não se podia construir e zonas anteriormente protegidas são agora paraísos para construtores e empreiteiros.

Há uns anos atrás tudo isto não passava de ideias nas cabeças de uns quantos capitalistas com mania das grandezas, mas hoje passa-se em todo o lado para onde olhemos. Passa-se em Tróia, na periferia de Setúbal, no Alentejo, na Costa Vicentina e na Serra da Arrábida. Passa-se também em inúmeros outros sítios de Norte a Sul de Portugal mas é aqui que eles estão mais perto de nós e é aqui que eles estão já feitos ou estão já em fase de construção. O empreendimento turístico TróiaResort, a urbanização Nova Setúbal, as variadas estâncias turísticas no Alentejo, a Secil e a co-incineração na Serra da Arrábida têm muito mais em comum do que apenas estarem todos na mesma região.


O empreendimento TróiaResort, construído pelo grupo económico SONAE de Belmiro de Azevedo estará concluído até 2011, mas partes fundamentais como a marina, o casino e o centro de congressos estão já construídos. Muito em breve será um dos mais importantes destinos turísticos de luxo em Portugal. Construído por cima de dunas e em geral numa zona extremamente importante para os ecossistemas da zona de Setúbal vai ter cerca de 15000 camas e até os Ferrys foram desviados do seu percurso normal para que os ricos se apropriem da península. Onde havia anteriormente a praia encontra-se hoje uma aberração sem qualificação possível, encontra-se a representação exacerbada daquilo que o capitalismo nos oferece a cada dia.

Outro projecto que por estas terras vai nascer é urbanização chamada Nova Setúbal, no Vale da Rosa. Mais longe do rio, vai no entanto estar situada numa zona de sobreiros que por sinal começaram já a ser cortados. Este projecto vai conter uma zona habitacional, um centro comercial e o novo estádio do Vitória de Setúbal.


Tanto o TroiaResort como a Nova Setúbal são a materialização da lógica da cidade e do progresso: alongarem-se para lá dos seus limites sendo estes limites uma coisa em constante mutação que leva tudo à sua frente. È a deslocação da vida e das pessoas do centro em direcção à periferia, em direcção ao subúrbio.

Podíamo-nos alongar em grandes descrições sobre pormenores técnicos acerca de todos estes projectos mas onde nos levaria isso? A tornarmo-nos ainda mais convictos de que não os queremos? A sabermos de cor uma série de dados e estatísticas? Esse não é o nosso objectivo. Estes pormenores servem unicamente para sabermos onde estão situados e com que tipo de ameaça nos confrontamos, de resto a crítica pode ser feita por qualquer um e não é nas estatísticas que descobrimos o que queremos e o que não queremos nem são os peritos nem os técnicos que nos vão dizer.

O que nos interessa é saber que estas aberrações não são apenas promessas de governantes e sonhos de empresários. Sabemos que têm lugares físicos, que têm empresas que os constroem, Estados que os legislam e Câmaras Municipais que os apoiam. Para que eles existam é necessário que exista toda uma sociedade de dominação, cuja lógica é agora reflectida em Resorts, condomínios privados e campos de golfe.

Como o capital não se reflecte só nestas coisas, um mal nunca vem só. À medida que mais infra-estruturas vão sendo criadas para os ricos, à medida que o valor dos terrenos, das habitações e da vida em geral vai subindo, à medida que mais condomínios privados vão sendo construídos, Setúbal torna-se uma cidade moderna. É então necessário defender essa modernidade, o que significa mais policiamento, mais controlo e protecção da propriedade por meio de câmaras de vigilância e polícia de proximidade. As mudanças nos ecossistemas e a destruição da Terra subentendem sempre uma mudança social e a transformação que daí decorre vai inevitavelmente em vários sentidos. Por um lado são os espaços que são considerados enquanto públicos que se vêm fechados a todos e todas. Por outro a militarização das ruas e dos bairros para defender todo este valor económico que aqui foi criado. Basicamente atraem-se os ricos que chegam munidos de exércitos e afastam-se os pobres deslocando-os para onde pertencem, ou seja para os subúrbios, para as limpezas e para os call-centers.

O nosso desejo é sem dúvida que nada nem ninguém usurpe as zonas onde a natureza se desenvolve de maneira selvagem. Que nem as serras, os rios nem qualquer outro lugar sejam atacados por máquinas nem pessoas.


[porquê aqui?]


A região em que Portugal se encontra contém ainda muitas zonas consideradas paradisíacas e algumas são hipocritamente consideradas “protegidas” pelas mesmas pessoas e instituições que as querem destruir. É o caso de reservas naturais, Serras e zonas de mato, pinhais e muitas outras. É também aqui que se considera que algumas consequências da tão falada crise económica tiveram maior repercussão fazendo com que os níveis de desemprego sejam extremamente elevados. Por outro lado Portugal é um país que pertence à União Europeia (U.E).

Ora não é preciso pensar muito ou ler muitos dados oficiais para sabermos que existem aqui as condições ideais para que estes projectos nos venham aqui cair.


Para além disso é no sul que mais zonas são o fruto apetecível da indústria do turismo. Aqui existem autênticos paraísos ainda não explorados que podem fazer as delícias dos capitalistas. Isto faz com que tenhamos uma espécie de casino viciado para quem tem dinheiro, ou seja, investindo em projectos aqui sabem que ganham de certeza. E não interessa saber se quem investe é português ou não, o que interessa é compreender porque é que vêm destruir as serras, os mares, os rios e as nossas vidas. Não nos interessa se são os Champalimauds, os Belmiros, os Sócrates ou outros quaisquer de um lugar distante que aqui investem. Vivemos num mundo em que quase não existem fronteiras para o capital, em que a capacidade de investir milhões de uma ponta à outra do globo é real.


Um outro factor que tem jogado um papel fundamental na aprovação destes projectos tem sido o desemprego e a suposta fraca condição de Portugal enquanto potência económica. Para os políticos e capitalistas é necessário explorar este medo até ao limite. Basicamente, a lógica é a seguinte: Se há uma crise no emprego então o que temos a fazer é construir Resorts de luxo para que possamos criar mais não-sei-quantos-mil empregos nas várias regiões. Não só esta é uma mentira em termos políticos como contém também o tipo de vida que querem para nós. Os empregos que se criam são sempre fictícios pois o capital está sempre em transformação e empregos que existem agora, além de serem de uma precariedade infinita, aparecem e desaparecem quando as empresas e o Estado assim o decidem. A ilusão de que são os governantes e os capitalistas a resolverem os nossos problemas com mais emprego ou com as suas soluções milagrosas é demasiado perigosa para a ignorarmos.

O que aqui está em causa é que o trabalho é visto como um valor fundamental nas nossas vidas. Não estamos a falar do esforço que empregamos em realizar determinadas tarefas mas sim nas relações que estabelecemos por sermos assalariados e consequentemente explorados.

Criarem nas nossas vidas relações que dependem essencialmente do valor do trabalho faz com que sejamos inimigos uns dos outros e que sejamos amigos de políticos e capitalistas. Faz com que não consigamos ver o que realmente nos ataca e o que queremos para os sítios onde vivemos.

Há ainda mais uma razão. Os capitalistas portugueses e o Estado português têm uma fome voraz de pertencer à Europa a cem por cento. Para isso têm de seguir uma série de directivas que tornem este sistema num sistema mais democrático e eficiente em termos económicos. A melhor solução para isso é criar aqui o derradeiro parque de diversões e lazer da Europa já que é este tipo de economia que mais dinheiro dá em menos tempo. Para a U.E interessa mais pagar para que em Portugal sejam diminuídas as cotas de pesca e a produção agrícola do que permitir a pescadores e agricultores fazerem o que sempre fizeram. Isto serve para compreendermos que neste mundo o Estado e o capitalismo brincam como quiserem com a economia e a política esperando que sejamos os seus espectadores e os seus eleitores. Se olharmos à nossa volta a última coisa que faltava explorar economicamente era o turismo e por isso era de esperar que fosse um futuro de Resorts de luxo e campos de golfe que quisessem para nós. É a servir às mesas dos ricos, a limpar as escadas dos ricos e a fazer vénias aos patrões que querem que vivamos.


Esta é apenas uma vertente da análise que pode ser feita e que se baseia em argumentos predominantemente económicos. Não os apresentamos porque gostaríamos de ver uma indústria diferente, uma legislação cumprida ou uma sociedade mais democrática e respeitadora da natureza. O que queremos é a destruição do sistema que nos ataca a nós, as Serras e os mares. Eles são apenas apresentados para que tenhamos uma visão das possibilidades que o capitalismo viu neste sítio para se desenvolver e que essa compreensão nos ajude a lutar contra estes projectos bem como tudo o que nos oprime.



[A lógica do progresso e do controlo social.]


Para conseguirmos compreender e analisar as consequências e as origens destes projectos temos de nos centrar, por um lado, na lógica que está por detrás da necessidade de construir estas aberrações. Por outro temos também de ver que nada que o capital construa o faz isoladamente.

Para além dos projectos concretos que o capitalismo cria para a nossa vida está sempre em marcha um projecto mais amplo que tem a ver com a determinação em nos controlar, dominar e nos tornar em blocos contribuintes desse mesmo projecto. Desta maneira os projectos urbanísticos e turísticos que referimos em cima surgem lado-a-lado e interligados com todas as outras situações que fazem desta sociedade um edifício a derrubar. Da mesma maneira que querem atacar com máquinas e prédios uma série de espaços que até agora não tinham nada disto, o Estado e o Capital querem-nos controlar a nós, indivíduos de uma sociedade-prisão para sermos os perpetuadores dos seus projectos.

Não se trata de ver uma série de medidas e projectos concretos como coisas isoladas (como vêm os políticos) mas sim notar que todas estas medidas pertencem a um mesmo objectivo: a dominação que o Estado e o Capitalismo querem exercer sobre os indivíduos, o controlo sobre a Terra para a colocar ao serviço da produção e assim alimentar a sociedade capitalista.

Esta dominação tem demasiadas facetas. Da mesma maneira que nos colocam mamarrachos em cima de dunas ameaçam-nos com a perspectiva das ruas já não pertencerem a ninguém se não a polícias, bancos e lojas. A sociedade é construída à base de violência estatal e capitalista e é por isso que existem prisões para afastar os indivíduos que não se integram ou que combatem esta sociedade. A prisão é das mais importantes ferramentas de repressão utilizadas pelo Estado e um pilar fundamental do capitalismo. Basicamente, servem para enjaular os pobres e os explorados, mas também para criar o medo do Estado, o medo de sermos presos. É uma coisa diferente de construir Resorts mas com o mesmo intuito de manutenção desta sociedade.

Da mesma maneira que nos tentam governar sob uma sucessão de administrações e candidatos, fecham fronteiras para conter os fluxos de emigrantes que fogem dos seus países devido ao abuso que as numerosas empresas e Estados aí têm feito. A questão é que independentemente do sítio de onde um individuo provém todos são explorados pelos mesmos e mais uma vez inventam-se diferenças apenas porque alguns vêm do lado de lá dos postos fronteiriços e outros já cá moravam. O Capital explora-nos a todos independentemente da nossa cor ou da nossa terra.

A dominação é tudo isto, mas também as novas e as velhas auto-estradas, o TGV, os alimentos transgénicos e acima de tudo todas as instituições, poderes e órgãos de decisão que nos querem regular a vida.

A lógica do capitalismo para além das suas facetas visíveis ou físicas é também a consciência que querem criar naqueles que são os explorados desta sociedade. É o facto de demasiadas vezes confiarmos que o poder detém a solução dos nossos problemas. Se desconfiamos do nosso vizinho, mas confiamos no polícia ou no político é normal que o Estado e as empresas se sintam à vontade para fazerem o que quiserem. Na verdade é o Estado, ou a sua existência, que nos criam os problemas por meio das suas leis e das suas prisões. Resta-nos decidir se queremos as nossas vidas controladas por nós ou se queremos que as controlem por nós.

Os Resorts de luxo e todos os outros projectos são na verdade metas inevitáveis do poder, ou consequências lógicas do progresso. Em ordem a consumar a colonização de todos esses locais onde o potencial do lucro e do negócio ainda não está totalmente explorado são necessários estes e outros projectos, pois eles são o que há de mais avançado para fazer dinheiro. Numa altura em que os nossos corpos e o nosso dia-a-dia estão já tomados e transformados pelo capitalismo resta-lhes apostar na colonização das parcelas de terra onde não haviam ainda posto a mão. É na transformação das situações sociais e naturais que o capitalismo vai criando as condições para o seu desenvolvimento. É isto o progresso.


[A mentira da crise para acelerar a nossa miséria.]


Para acelerar uma série de processos que possivelmente não estavam na velocidade pretendida, o capital a nível global, fez-nos crer que se encontrava numa crise motivada por factores completamente fora do seu controlo e cuja causa estaria nas “más práticas” de certos agentes económicos. A partir daí entraríamos em sucessivas recessões que levariam certas economias ao colapso. O que não nos dizem é que estas crises são uma parte essencial do capitalismo com o objectivo de se reestruturar e, de forma mais eficiente, retomar o ataque contra a nossa vida. O mundo não é uma coisa estática e para bem do sistema em que vivemos, é bom que ele também não o seja. É nesta dinâmica de mutação que vem inserida a última crise de um capitalismo que sempre esteve em crise e sempre teve a tendência para se mutar e cumprir melhor o seu papel. Mas porque iria o capitalismo destruir empresas centenárias, engolidas na catadupa de falências económicas por esse mundo fora? Obviamente para acelerar o fluxo de capital, centralizá-lo em outros pontos e proceder à sua reestruturação.

O capitalismo tem vindo a transformar-se ao longo do tempo ainda antes desta crise, caminhando agora para uma nova forma, fresca e limpa que se pode chamar de “capitalismo verde”. Basicamente, devido à disponibilidade de matérias primas, como o petróleo, é necessário que toda a sua estrutura seja transformada para se adaptar às novas condições.

Motivados unicamente pela manutenção do seu mundo tentam agora criar uma maneira de estar que possa prolongar a vida de várias indústrias por mais tempo, vendendo-nos a mentira de que é ele que pode proteger a Terra e assegurar o futuro da mesma. É por isso que, por exemplo, o TroiaResort tem uma série de certificações e tecnologias que segundo eles vão ajudar a preservar os ecossistemas da zona. São manobras politicamente correctas que não nos dizem nada e que nos enraivecem.

Sob o pretexto desta nova crise e da fragilidade económica todo e qualquer projecto que, por alguma razão não tivesse tido possibilidades de ser implementado, tem agora um novo fôlego para ser posto em prática. Podemos comparar isto com, por exemplo, a instalação de sistemas de vídeo-vigilância nas ruas porque existem assaltos. O Estado explora todas estas situações para pôr em prática as suas medidas já que está protegido por uma suposta legitimidade e, como é ele a fazê-las sabemos que servem sempre para estender o seu controlo, seja de pessoas ou zonas naturais. Não quer isto dizer que a natureza e os indivíduos não estivessem já a ser atacados, mas que é parte essencial da estratégia estatal apropriar-se de todas as situações e torná-las favoráveis para si próprio.

Independentemente das novas formas que o poder adquira a guerra continua aí, mesmo que não a vejamos, mesmo que não a queiramos ver. O capitalismo transforma-se, mas a sua essência mantém-se e se por um lado nos apresentam um sistema brando, permissivo e ecológico sabemos e sentimos um sistema de repressão, prisões e betão.

O conflito social que se gera por esse mundo fora é a guerra dos bairros de barracas contra os Resorts de luxo, é a guerra dos habitantes das serras contra as fábricas de cimento e a raiva gerada pela dura realidade social imposta é dificilmente apaziguada por programas sociais ou subsídios. Ela continua viva enquanto o Estado e o Capitalismo existirem para nos dar razões para lutar contra quem nos explora.


[As criticas que têm sido feitas]


As críticas que têm sido feitas a estes projectos prendem-se na sua maioria com a questão do emprego, ou da sua escassez, e muitas mais apenas com a sua viabilidade ecológica. Tomam muitas vezes o tom oposicionista em relação ao presente governo, criando a ideia de que estas medidas são erradas porque é este governo a fazê-las e outros partidos uma vez no poder falo-as-iam de forma diferente. É até verdade que outros governos mudariam algumas moscas, mas a merda seria certamente a mesma. Se uns colocaram uma estância de luxo em Tróia outros colocá-la-iam noutro sítio qualquer e não é por isso que passamos a aceitar este tipo de empreendimentos. O que nos interessa é deixar claro que estamos contra não porque estes empreendimentos estão onde estão, enquanto razão única. Gostaríamos de os ver destruídos se eles fossem construídos em qualquer outro lado. O que nos incomoda é o ataque à Terra e o controlo social que eles criam e representam

Todos os partidos políticos são empresas da política e partes fundamentais da democracia. Servem unicamente para jogar o jogo que o poder propõe, mas outra coisa não se esperaria de um partido político.

Que sejam estes a criticarem projectos como o TroiaResort, o TGV ou outra coisa qualquer não nos admira, sabemos que não existem inocentes nesta história e enquanto uns os defendem para retirarem os benefícios económicos óbvios outros criticam porque eram esses benefícios que gostariam de ter.


[O que podemos fazer?]


Essencialmente, podemos atacar o monstro de mil maneiras diferentes sempre com o objectivo de destruir estes e outros projectos, sempre com a ânsia de tomarmos a vida nas nossas mãos. A luta contra o capitalismo e os seus projectos toma várias formas consoante aqueles que nela participam. O que interessa é que sejamos nós próprios a definir essas formas de luta e ataque apenas orientados pelas nossas consciências e o debate com outros.

É com a acção directa que confrontamos o inimigo. É simples e acessível a todos criarmos pequenos grupos que actuam neste sentido por meio das mais variadas ferramentas e ter presente que quando nos juntamos com outras pessoas devemos basear isso no conhecimento mútuo. A partir daqui a imaginação flúi e a luta torna-se numa alegria que se vive nas ruas das cidades e dos bairros.

Se uma instituição, estatal ou privada, ou mesmo um partido político nos quer fazer crer que também é contra este tipo de empreendimentos sabemos que é para acabar com qualquer tipo de contestação que se faça na rua. O seu objectivo, tal como o poder, é transformar um possível confronto em queixas em tribunais e abaixo-assinados com a promessa de que nada vai mudar. Lutar e confrontar o poder deve ser feito de forma autónoma e livre tendo como única direcção a sua destruição.


O que queremos é no fundo que todos estes projectos sejam simplesmente destruídos, mas mais que isso interessa-nos combater todo este mundo capitalista de dominação e progresso na tentativa de nos libertar a nós e a Terra.


Alguns anarquistas do Sado

Setembro de 2009

praiadebetao@gmail.com

36 detenidos por la Guarcia Civil en Euskal Herria !!

Han registrado gaztetxes, viviendas, herriko tabernas y locales de movimientos sociales.
Se trata de una redada hacia compañeros que luchan, gente que se mueve en los pueblos, ¡solidaridad en todas partes!
36 personas arrestadas en una macrorredada contra el movimiento juvenil
Las agencias españolas cifran en 36 las personas detenidas en la macrorredada efectuada esta madrugada por la Policía española, la Guardia Civil y la Policía francesa en Gipuzkoa, Nafarroa, Araba, Bizkaia y Lapurdi contra los movimientos sociales. Las fuerzas policiales han registrado más de una treintena de domicilios, gaztetxes y asociaciones vecinales.

http://www.klinamen.org/article7018.html


Han registrado gaztetxes, viviendas, herriko tabernas y locales de movimientos sociales.
Se trata de una redada hacia compañeros que luchan, gente que se mueve en los pueblos, ¡solidaridad en todas partes!
36 personas arrestadas en una macrorredada contra el movimiento juvenil
Las agencias españolas cifran en 36 las personas detenidas en la macrorredada efectuada esta madrugada por la Policía española, la Guardia Civil y la Policía francesa en Gipuzkoa, Nafarroa, Araba, Bizkaia y Lapurdi contra los movimientos sociales. Las fuerzas policiales han registrado más de una treintena de domicilios, gaztetxes y asociaciones vecinales.

Policías españoles trasladan a una de las personas detenidas en Donostia. (EFE) DONOSTIA-. Las agencias Efe y Europa Press cifran en 36 los detenidos esta madrugada en diversas localidades de Hego Euskal Herria por la Policía española y la Guardia Civil, bajo las órdenes del juez Fernando Grande-Marlaska, que se ha desplazado a Donostia junto a dos fiscales y la cúpula policial para coordinar el dispositivo. Según diversos medios, el magistrado habría dictado 40 órdenes de detención.

La operación también se ha extendido al norte del país, concretamente a Hendaia.

Nafarroa

En Nafarroa, la operación se ha desarrollado en Iruñea, Barañain y Burlata. Según ha informado el movimiento pro amnistía, en Burlata ha sido arrestada Itsaso Torregrosa, en Barañain Garbiñe Urra, Jon Ziriza y Raúl Iriarte, y en Iruñea Amaia Elkano. El donostiarra Mikel Eskidoz también ha sido detenido en Iruñerria.

Araba

En Araba, los arrestos se han producido en la capital. Según el organismo antirrepresivo, los detenidos son Aitor Liguerzana, Jon Liguerzana, Ion Anda, Bittor Gonzalez, Jagoba Apaolaza, Zumai Olalde y dos jóvenes cuyos nombres serían Unai y Goizane.

Gipuzkoa

En Gipuzkoa, la redada afecta a varias localidades. En Villabona ha sido apresado Mikel Ayestaran, en Andoain Euken Villasante, en Legorreta la vecina de Gros Garazi Rodriguez, en Donostia Maialen Eldua, Oier Ibarguren, Ihar Egaña y Aitziber Arrieta; en Tolosa Haritz López, en Amezketa Irati Mujika y en Zaldibia un joven apellidado Matxain.

Bizkaia

En Bizkaia ha sido arrestada Zuriñe Gojenola en Lekeitio, y un joven iruindarra llamado Oier, aunque se desconoce dónde. La operación en ese herrialde se ha desarrollado también en Bilbo, Zamudio, Galdakao y Sestao, de acuerdo con diversos medios.

Lapurdi

Finalmente, en Hendaia ha sido apresado Iker Elizalde, electo de la localidad, por orden de la juez Laurence Le Vert. Ha sido trasladado a la comisaría de Baiona, según el movimiento pro amnistía.

Otros cuatro intentos y registros

Según Efe, a las seis de la mañana la Guardia Civil había detenido a siete personas, mientras que la Policía había arrestado a 29. El movimiento pro amnistía ha informado de que las fuerzas policiales han intentado detener a otras tres personas en Iruñerria y a una cuarta en Azpeitia, pero no han podido localizarlas.

La Guardia Civil y la Policía han registrado al menos 34 viviendas, gaztetxes y otros locales, entre ellos los gaztetxes de Andoain, Zizur, Barañain y Atarrabia; las asociaciones de vecinos de Antsoain y Alde Zaharra de Iruñea, y el "auzotegi" de Txantrea.

Además, han inspeccionado las herriko tabernas de Andoain y del barrio donostiarra de Egia.

La operación continúa abierta y no se descartan más arrestos, segun las agencias españolas.



“ANTENAS DE REDES DE TELEMÓVEIS: AMEAÇA SOBRE AS NOSSAS CABEÇAS?!...” ( 28º Aniversário da Associação de Ecologia Social Terra Viva )

DEBATE ABERTO/ SESSÃO DE INFORMAÇÃO –sábado, 28 de Novembro 17.30 h.

Sede da TERRA VIVA!AES –Rua dos Caldeireiros, 213 –Porto (à Cordoaria)

http://terraviva.weblog.com.pt/


No seguimento de um alerta recente da QUERCUS sobre o assunto, no seguimento também do debate realizado na passada semana pela CAMPO ABERTO, no Porto, com representantes dos movimentos populares de Serzedelo e Paredes contra as radiações electromagnéticas das linhas de alta tensão em zonas habitadas, no seguimento enfim, também, de inúmeras iniciativas cívicas locais ( Campo-Valongo, Escola do Viso, Moscavide, Pedrouços-Maia, etc.) desde 2003 e do nosso alerta em 2007 (vide n/site, Dez.2007) , vamos levar a efeito esta SESSÃO DE INFORMAÇÃO , no âmbito do assinalar do 28º Aniversário da fundação da Terra Viva!*.

Para além da inúmera informação escrita que conseguimos obter e que pomos à disposição das pessoas que estiverem presentes, contamos também “levantar algumas lebres” sobre a forma como desde 2007 , pelo menos estas questões têm vindo a ser silenciadas, destorcidas e escamoteadas, tanto pelas empresas de redes telemóveis como por “autoridades competentes (?) , inclusive uma ou outra universidade… –apesar de um comunicado mais categórico da Direcção Geral de Saúde, em 2007, alertando para os riscos das antenas de telemóveis (entre outras fontes de radiações consideradas “de alto risco para a saúde pública” ) .

COMO VIMOS ASSISTINDO, NA BAIXA DO PORTO COMO NAS ZONAS MAIS PERIFÉRICAS, Á PROLIFERAÇÃO DA INSTALAÇÃO DE TAIS EQUIPAMENTOS - ÁS VEZES NOS LOCAIS MAIS INESPERADOS – CREMOS NÃO SER DE DESPREZAR, EM NOME DO PRÍNCÍPIO DA PREVENÇÃO, A POSSIBILIDADE DA MOBILIZAÇÃO CÍVICA CONTRA MAIS UM POSSÍVEL ATENTADO Á SAÚDE PÚBLICA QUE INSIDIOSAMENTE E DE FORMA INVISÍVEL VIRÁ SENDO PERPETRADO EM NOME DO DINHEIRO QUE PROPRIETÁRIOS -PÚBLICOS E PRIVADOS RECEBEM POR CONTA DA INSTALAÇÃO DESTES EQUIPAMENTOS NO ALTO DOS SEUS EDIFÍCIOS - ISTO É, POR CIMA DAS NOSSAS CABEÇAS .

ESPERAMOS A VOSSA PARTICIPAÇÃO - p.f.REFUNDAM ESTA INFORMAÇÃO

Terra Viva!/Terra Vivente -AES
( a sessão decorrerá sob a forma de CÍRCULO DE ASSEMBLEIA, complementado por uma Mesa de Inscrições )

*noutro local informamos o programa completo do 28ºaniversário da Terra Viva!

MAIS INFORMAÇÕES:

967694816 - 223324001
********************************************************************************



28º ANIVERSÁRIO DA TERRA VIVA!ASSOCIAÇÃO DE ECOLOGIA SOCIAL

-Sede da TERRA VIVA!AES –R.dos Caldeireiros, 213 –Porto (à Cordoaria)

PROGRAMA

---Sábado, 28 de Novembro

15.30 -Mini-conferência/Sessão de Inform."ECOLOGIA SOCIAL,INTERVENÇÃO SOCIAL E MOVIMENTOS POPULARES- Balanço e perspectivas"

17.00 -Mostra de fotos e pequenos vídeos das nossas actividades juvenis
(REGRALL-Eco-escotismo livre, História Viva-Recriações Históricas, Participação em campanhas e movimentos
populares-cívicos, etc.)
- continua depois à noite-

17.30 -“ANTENAS DE REDES DE TELEMÓVEIS: AMEAÇA SOBRE AS NOSSAS CABEÇAS?!...”DEBATE ABERTO/ SESSÃO DE INFORMAÇÃO
20.30 - Jantar-Benefit (apoio CCL Almada)
21.30- "Velada Social-ecológica" -com cantos de intervenção (social e ambiental)

---Domingo, 29 de Novembro

10.30 - Visita à Quinta do Covelo (Paranhos) e apanha de bolotas de sobreiro e carvalho
(encontro 10.00 na praça do Marquês, junto ao lago - Est.Metro do Marquês)
15.00 - Workshop de BOLOTAS, MOAGEM BÁSICA E UTILIZAÇÃO CULINÁRIA -sede da Terra Viva

16.00 - Reunião/Sessão de Informação/Debate :
"ANIMAR E CRIAR MOVIMENTO POPULAR" -perpectivas e experiências de intervenção social "de base"
dos últimos anos e lutas sociais da actualidade (c/visualização de vídeos e sites
de movimentos de base no Brasil, na Grécia e noutros locais)


MAIS INFORMAÇÕES/CONTACTOS:
telef. -967694816 / 223324001

email: terraviva@aeiou.pt

[Grécia] Novembro pertence a todos, dezembro é de ninguém!

Na manhã desta sexta-feira (20), aconteceu o julgamento das 4 pessoas detidas na cidade de Iráclio, na Ilha de Creta, durante a manifestação de 17 de novembro passado...
Ocupação da Reitoria da Universidade de Atenas continua ...
Bloco anarquista em Tessalônica ...
Sex shops são atacadas ...


Na manhã desta sexta-feira (20), aconteceu o julgamento das 4 pessoas detidas na cidade de Iráclio, na Ilha de Creta, durante a manifestação de 17 de novembro passado. Cerca de 150 pessoas reuniram-se em frente do tribunal para mostrar solidariedade com os detidos. Finalmente, todos os detidos foram libertados com a condição de pagar uma fiança de 10.000 euros (graves acusações), 1.000 euros (acusações leves) e apresentar-se uma vez por mês na delegacia. Em seguida houve uma manifestação espontânea pelo centro histórico da cidade com a participação de aproximadamente 200 pessoas (muitos alunos, grupos de esquerda e anarquistas).


Na manifestação do dia 17, nunca tinha sido visto tantos policiais nas ruas do centro histórico da cidade de Iráclio. Logo ao começar a manifestação a polícia atacou o bloco anarquista. Anteriormente, algumas pessoas atiraram garrafas de vidro na polícia.
Ocupação da Reitoria da Universidade de Atenas continua
Em Atenas segue a ocupação da Reitoria da Universidade de Atenas pelo terceiro dia consecutivo. A Reitoria foi ocupada na quarta-feira para denunciar a ocupação das universidades pela polícia, cancelando assim o caráter de asilo que tem a universidade e também para denunciar a agressão por parte da polícia durante a manifestação da terça-feira (17).
Hoje (20) à tarde, foi realizado um ataque com pequenas bombas de gás a uma delegacia, no bairro ateniense de Nea Ionia. Um carro de patrulha foi completamente destruído. O grupo anarquista “Guerrilha Inflamatória” assumiu a autoria da ação.
Pela manhã foram feitas três "chamadas piada" de bombas falsas colocadas no Ministério do Comércio da Villa Gulandrí e no escritório do político Miltiádi Papaioánu.
À noite, em Exarchia, desconhecido destruíram a entrada do café-bar "Selas". Os trabalhadores deste estabelecimento divulgaram uma declaração denunciando como responsáveis pelo ataque a polícia, afirmando: A forte presença policial no bairro de Exarchia no momento que o ataque foi feito, já anteriormente uma patrulha da polícia a pé foi atacada com pedras; A identidade política" das pessoas que trabalham no café-bar; Os insultos e ameaças que os trabalhadores haviam recebido recentemente pela polícia; A câmera de vigilância que “olha" para a rua Mezóni cerca de 10 metros da entrada destruída.
Bloco anarquista em Tessalônica
Vídeo com cerca de 10 minutos de imagens do Bloco Anarquista durante a manifestação do dia 17 de novembro em Tessalônica, em protesto e celebração da revolta estudantil na Grécia em 1973.
http://www.youtube.com/watch?v=-6WBYNj9WFs
Sex shops são atacadas
Duas sex shops foram atacadas com dispositivos incendiários em Tessalônica, na sexta-feira (13) e terça-feira (17) de madrugada, causando danos limitados. Anarquistas assumiram o atentado, argumentando num comunicado que, entre outras coisas, a indústria capitalista do entretenimento e do sexo não é diferente de muitas outras, e que estas lojas não têm nada de "liberação sexual".
agência de notícias anarquistas-ana

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Concertos, 28 de Novembro, Kyläkancra

Sábado, 28 de Novembro
às 22h00
CONCERTO COM

BETUNIZER + dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS + MAMUTE + WAITING FOR BETTER DAYS + TO.ED.GEIN

ao vivo na KylaKäncra
(subúrbios de setúbal)

entrada livre!!!

Associação Terapêutica do Ruído & KyläKancra apresentam:



BETUNIZER + dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS + MAMUTE + WAITING FOR BETTER DAYS + TO.ED.GEIN

ao vivo na KylaKäncra



Sábado, 28 de Novembro

às 22h00

entrada livre!!!

(info: zunhau@gmail.com / 964714072)





BETUNIZER

www.myspace.com/betunizer

Os Betunizer são uma nova banda formada por três dos mais activos músicos da cena underground de Valência (Espanha) dos últimos anos:

O baterista Marcos Junquera, membro da La Orquesta del Caballo Ganador, um colectivo de improvisação livre que já tocou em festivais como o Primavera Sound ou o Tanned Tin e que também foi membro da banda de post-punk/no-wave Estrategia Lo Capto e de outros grupos como os Balano ou os Ciudadano;

O guitarrista Jose Guerrero, também da La Orquesta del Caballo Ganador, fundador da banda de noise rock psicadélico Zener, com 5 álbuns editados e mais de 150 concertos e membro de outros grupos como os Rastrejo ou o projecto audiovisual de improvisação Los Masticantes;

E o baixista Pablo Peiró, membro da banda de post-hardcore atmosférico Mentat, que existe há mais de 10 anos e tem 3 álbuns editados e também dos Los Masticantes.

Os Betunizer são o resultado da mistura destas três mentes e a música que fazem soa a algo como Sonic Youth, The Ex, US Maple, Fugazi e The Fall, com um intenso e enérgico impulso rítmico.



dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS

www.myspace.com/duassemicolcheiasinvertidas

Os dUAsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS são um colectivo de terapeutas do ruído sediado em Lisboa. Formaram-se em 2007, quando músicos de diferentes projectos se começaram a juntar em jam sessions catárticas para se libertarem das tensões do dia-a-dia.

A formação é variável e sempre aberta a novos intervenientes. Actualmente o colectivo é constituído por: Desmarques (guitarra & feedbacks anestesiantes), Monstro (quatro cordas & dupla personalidade), Trigueiros (bateria & arritmia) e Sorrisoemeio (malabarismos & contorcionismos).

Editaram este ano o seu segundo EP, simplesmente intitulado II, que foi gravado numa tarde do final do ano passado em Barcelona, quando voltavam de uma pequena digressão pela Alemanha.

Recém-chegados de uma nova digressão, desta vez europeia, preparam-se agora para regressar ao palco da KyläKancra, que é uma espécie de segunda casa para este bando de ruidosos terapeutas…



MAMUTE

www.myspace.com/mamuterocks

Formados em 2008, os Mamute são compostos por Pedro Madeira (guitarra neandertal) e Carlos Ferreira (bateria cromagnon). As suas influências são algo díspares mas imagine-se um cruzamento onde em vez do Robert Johnson temos o Syd Barrett a vender a alma ao diabo e é isso que os Mamute são.

Os Mamute primam pelos sons monolíticos, monocórdicos e com laivos nórdicos. Uma junção de classic rock 70's, delta blues e british psych com um toque de trash de Belo Horizonte. Num termo muito simples, é heavy rock.

Esperamos que quem tenha a oportunidade de os ver se divirta como eles se divertem com alguns dos clichés que tanto usam. Mesmo que não se divirtam são sempre bem-vindos aos seus concertos. A não ser que sejam do povo Clóvis! Aí o caso está mal parado... Seja como for: HEAVY ROCK!!!!!



WAITING FOR BETTER DAYS

www.myspace.com/waiting4betterdays

TO.ED.GEIN

www.myspace.com/toedgein






(textos da autoria dos músicos)





--
Associação Terapêutica do Ruído

(www.myspace.com/duassemicolcheiasinvertidas)


28 de Novembro - Introdução à Soma com João da Mata e jantar benefit contra despejo do Centro de Cultura Libertária - no Grupo Desportivo da Mouraria


Dia 28 de Novembro (sábado) no Grupo Desportivo da Mouraria:

16h - Lançamento do livro "Introdução à Soma - uma terapia anarquista"
seguido de palestra e oficina de Soma
(com a presença do autor, João da Mata)

20h - Jantar benefit contra o despejo do Centro de Cultura Libertária

no Grupo Desportivo da Mouraria: Travessa da Nazaré, nº 21 Lisboa

Centro de Cultura Libertária: culturalibertaria.blogspot.com

Sobre o livro "Introdução à Soma - uma terapia anarquista" de João da Mata:

Considerado um dos maiores músicos brasileiros, Cartola em parceria com Elton Medeiros na música “O sol nascerá”, canta: A sorrir / Eu pretendo levar a vida / Pois chorando / Eu vi a mocidade perdida... Talvez sem perceber, Cartola anunciara com seu samba uma potente postura ética, um verdadeiro modo de vida alegre e afirmativo.

Penso ser a Soma - uma terapia anarquista, a aposta em algo semelhante. Transformar nossa existência em um grande atelier a serviço de uma obra de arte, onde o propósito de dar um sentido artístico e belo à vida é uma aposta ética de mesma forma afirmativa. E é exactamente assim que acredito ser um acto e o objectivo terapêutico: a transformação da existência em algo sublime.

A Somaterapia ou apensa Soma é uma técnica terapêutico-pedagógica, corporal e em grupo que buscou no pensamento e na acção libertária tanto uma crítica às mais variadas forma de poder na vida social, quanto uma possibilidade de viver livre e plenamente.

Criada no Brasil pelo escritor e médico Roberto Freire, em plena ditadura militar nos anos de 1960, os primeiros grupos de Soma funcionaram de forma clandestina para atender aos activistas políticos. Não havia uma terapia em que os jovens perseguidos pelos militares pudessem confiar, pois a paranóia de denúncia era enorme. Assim, surgia uma terapia fortemente ligada às lutas libertárias, contra a normalidade perversa instituída e instaurada no Brasil. Passados quase quarenta anos de sua criação, a Soma permanece atenta aos mecanismos de controlo e captura das liberdades individuais e suas repercussões sobre a vida emocional das pessoas.

O livro que você tem em mãos é uma “porta de entrada” a esta técnica terapêutica revolucionária. Aqui você encontrará os principais conceitos, as bases teóricas e a metodologia da Soma. Em linguagem simples e directa, deve desperta-lo para os caminhos libertários e insurgentes em direcção à construção desta vida que Cartola canta em samba: alegre, afirmativa e guerreira.

Caso queiram saber mais sobre a Soma: www.somaterapia.com.br

domingo, 22 de novembro de 2009

Abaixo-assinado que visa demonstrar solidariedade contra 11 pessoas que vão ser julgadas no próximo dia 7 de Dezembro, por desobediência à autoridade

Abaixo vão encontrar um abaixo-assinado que visa demonstrar solidariedade contra 11 pessoas que vão ser julgadas no próximo dia 7 de Dezembro, daqui a 5 semanas, por desobediência à autoridade.
O objectivo é fazer circular o abaixo-assinado pelo maior número de pessoas possível e mesmo reenviá-lo a algumas entidades públicas (aberto a sugestões, pensei no Ministério Público, Provedor de Justiça, Ordem dos Advogados, Sindicato da Magistratura se ele existir cá...).


Abaixo-assinado (à Constituição da República)

Artigo 45.º*
(Direito de reunião e de manifestação)
1. Os cidadãos têm o direito de se reunir, pacificamente e sem armas, mesmo em lugares abertos ao público, sem necessidade de qualquer autorização.
2. A todos os cidadãos é reconhecido o direito de manifestação.


Artigo 21.º
(Direito de resistência)
Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.
*Constituição da República Portuguesa (Sétima revisão constitucional)

Sabemos que a manifestação contempla um direito constitucional inalienável.
Não restam dúvidas quanto à natureza legal da manifestação que ocorreu no dia 25 de Abril de 2007, em Lisboa. Nessa tarde, na rua do Carmo, as autoridades policiais decidiram intervir violentamente. Não só puseram em causa um direito fundamental, como incorreram noutra ilegalidade pelo facto de não terem comunicado às pessoas que deveriam dispersar, como exige a lei e não foi feito. Quando um direito constitucional é posto em causa, mesmo que pelas autoridades policiais (com a agravante do incumprimento pelas forças policiais do aviso prévio de dispersão a que estão obrigadas por lei), os cidadãos que se vêm ofendidos no exercício de um direito fundamental têm o direito de pôr em prática outro preceito constitucional acima citado:

(Artigo 21.º/Direito de resistência)
“Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.”

Por outras palavras, resistir a alguém que pratica um crime (neste caso a polícia que interveio ao arrepio da lei nesse 25 de Abril de 2007). Alguns dos cidadãos que nessa tarde, escorados na indignação e na Constituição portuguesa, resistiram ao acto ilegal praticado pela polícia vão a julgamento no próximo dia 7 de Dezembro acusados de desobediência à autoridade.

Dois anos depois do sucedido, no dia 25 de Abril de 2009, a novela do paroxismo de uma cultura paternalista e baseada na intocabilidade dos agentes da autoridade – resquícios vivos da obediência ao Pai Nosso Salazar – veio escarranchada num artigo do Diário de Notícias, com chamada de primeira página: a lista “negra” dos 11 cidadãos injustamente arrolados pela justiça. O jornal diário referido, não só não consultou a Constituição da República, não só violou o código deontológico ao não ter procurado o contraditório, como teve o desplante de colocar a lista “negra” dos cidadãos, identificando-os com o nome, morada, idade, profissão e pormenores biográficos. O que o Diário de Notícias fez, com a anuência de director e editor, foi apenas fazer o copy paste do press release enviado pelo comissariado dos “serviços”.

Comissariado que cumpriu o seu papel, já que os “serviços” têm de prestar contas ao Estado e aos cidadãos do seu excelso e secretíssimo desempenho. Tarefa cumprida escrupulosamente, já não com o “lápis azul”, mas com o pós-disciplinário “Magalhães”: colocou os insurrectos por ordem alfabética, enriqueceu o texto com requintes estatísticos e estilísticos que denotam o progresso desta classe tantas vezes desprezada.

Quanto à decisão jornalística, ela já não cumpre o seu papel: pensar, sobretudo pensar com independência, e depois, averiguar, procurar o contraditório, a versão dos visados, ler a Constituição da República. E, como o pensamento crítico esteve arredado dessa decisão jornalística, o Diário de Notícias preferiu estar no lugar que convém estar no momento histórico que vivemos e cometeu um insulto, não apenas aos 11 cidadãos que estarão entregues a um processo injusto, como a todos os cidadãos que preferem pensar, (e que pensam com a Constituição, como faz esse reino de pessoas justas e bondosas e sérias, como os deputados e os jornalistas) e que concluem que a lista “negra” do jornal citado deveria ter o nome dos polícias que ilegalmente espancaram cidadãos que exerciam um direito fundamental. Sem o requinte estilístico do comissariado, mas com a profunda indignação pelo abuso das autoridades e a leviandade de um quotidiano…

Recordamos que em Novembro do ano passado o Estado francês e a administração Sarkozy montaram um show mediático para punir e vigiar a cidadania revoltada. A detenção dos Tarnac 9 foi uma ópera terrificante de marketing. Um show-off metonímico de terror: aterrorizar cada cidadão que põe em causa a falácia, o cinismo, a ganância, a injustiça de um sistema.

Alguns meses depois de o caso Tarnac ter feito as parangonas da imprensa, é o próprio Sindicato da Magistratura francesa a pronunciar-se inequivocamente sobre a utilização abusiva das leis do Estado para asfixiar os movimentos de contestação social: "dénonce l’utilisation de qualifications pénales outrancières aux fins d’intimidation et de répression des mouvements sociaux". Ou ainda: "Dans l’affaire du « groupe de Tarnac », l’instrumentalisation consentie de la justice - à la suite d’une opération de « police réalité » opportunément médiatisée par la ministre de l’Intérieur - semble avoir atteint son paroxysme.”

(O comunicado integral do Sindicato da Magistratura francesa pode ser consultado no site oficial: http://www.syndicat-magistrature.org/spip.php?article825 )

Mudam-se os processos, mantém-se a mesma mesquinhez das autoridades.
Agora, o reality-show tem uma sequela lusitana. Mas é uma incógnita adivinhar quem se pronunciará contra o julgamento que ocorrerá no dia 7 de Dezembro no Parque das Nações.

O que é pobre e vil neste país, não é as autoridades policiais viveram numa espécie de bebedeira de impunidade, cometerem crimes e ilegalidades (não só é próprio das suas funções, como ainda têm a desculpa dos poderes governativos a que prestam obediência darem o péssimo exemplo), é não haver vozes que discordem da actuação da Justiça, que criticam as forças policiais, que façam a apologia da crítica ao autoritarismo, vá lá que defendam a sua constituição!

Este abaixo-assinado (à Constituição da República), que solicita a sua assinatura no caso de concordar com o seu teor, reveste-se de um acto de solidariedade para com aqueles que foram ilegalmente espancados pela polícia e a favor daqueles que se sentarão no banco dos réus por desejarem um país mais livre. E lembrem-se, não somos nós que somos “sérios”, não somos nós que somos “pessoas de bem”, não somos nós que somos constitucionalistas…
Os Proponentes e/ou Assinantes:

Júlio Gomes - BI 10819471 (Livreiro)

Gato Vadio (livraria, café-bar)


Caso concorde, reenvie este email para os seus amigos e contactos e para as seguintes autoridades públicas:
(abaixo segue um texto enviado pelos cidadãos processados pela Justiça portuguesa):

Procuradoria-Geral da República:
mailpgr@pgr.pt


Tribunal Central de Instrução Criminal:

lisboa.tcic@tribunais.org.pt,
correio@lisboa.tpicr.mj.p,
mp.lisboa.tr@tribunais.org.pt,
lisboa.jcr@tribunais.org.pt


Coordenadas GPS:

Ordem dos Advogados:

cons.geral@cg.oa.pt, cons.superior@cg.oa.pt

Sindicato dos Magistrados do Ministério Público:

smmp@net.novis.pt, smmp.secretariado@net.novis.pt, smmp.rmp@net.novis.pt

-----------------------------------------------------------------------------------
" Este texto pretende relembrar a carga policial que aconteceu na manifestação Anti Fascista e Anti Capitalista no dia 25 de Abril de 2007 e apelar à solidariedade contra a farsa judicial montada em torno das onze pessoas que vão a julgamento dia 7 de Dezembro

No dia 25 de Abril de 2007 decorreu uma manifestação Antiautoritária contra o Fascismo e o Capitalismo em Lisboa que reuniu aproximadamente 500 pessoas. Tendo iniciado na Praça da Figueira em ambiente contestatário, mas festivo e sem incidentes, várias pessoas aderiram à manifestação ao longo do percurso Rossio, Rua do Carmo, Rua Garrett até ao Largo de Camões.
Após um breve período em que a manifestação permaneceu no largo Camões, esta continuou espontaneamente pela Rua Garrett em direcção ao Rossio. A presença constante da polícia durante a trajectória fez com que o clima entre as partes fosse de tensão. A meio da Rua do Carmo, duas hordas de elementos do corpo de intervenção da PSP e polícias à paisana encurralaram os manifestantes na rua fechando as saídas e, sem qualquer ordem ou aviso de dispersão, começaram a agredir brutal e indiscriminadamente manifestantes, transeuntes e até mesmo turistas.

A polícia não tentou dispersar ninguém, pelo contrário, quis bater, espancar e atacar os manifestantes. Pessoas que caíram no chão indefesas foram ainda agredidas por vários polícias à bastonada e ao pontapé. Houve perseguições por parte da polícia, levadas a cabo de forma bastante agressiva, no local onde decorria a manifestação e por toda a Baixa de Lisboa. Foram detidas onze pessoas e foi impossível contabilizar todos os feridos entre manifestantes e pessoas alheias ao protesto. Aos manifestantes juntaram-se, no fundo da rua do Carmo, vários transeuntes e lojistas contra a brutalidade policial.

Com o apoio dos media, as forças policiais criminalizaram o protesto, procurando encontrar legitimidade para a sua acção repressiva que é um tipo de conduta permanente por parte do Estado, como podem comprovar, a título de exemplo, os habitantes de bairros sociais. Assim sendo, a detenção dos onze manifestantes surge como modo de justificar mais uma carga policial.
Para além da detenção, estes manifestantes ficaram ainda sujeitos à medida de termo de identidade e residência, tendo sido acusados de agressão, injúria agravada e desobediência civil, acusações estas que, na verdade, caracterizam a actuação policial. Querem convencer-nos que o mundo é o inverso daquilo que realmente acontece, uma vez que as únicas agressões à polícia foram em legítima defesa, postura à qual não se deve renunciar.

No próximo dia 7 de Dezembro vai ser o julgamento dos onze acusados nas novas instalações judiciais localizadas no Parque das Nações/Oriente.
Apelamos à solidariedade em relação a esta situação em particular, enquadrada num contexto de exploração e opressão quotidiana que não deixaremos de combater."

alguns envolvidos no processo




quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Acção de solidariedade com Amadeu Casellas em Lisboa



Na noite de 12 de Novembro foi levada a cabo uma acção de solidariedade com o preso anarquista Amadeu Casellas Ramon à porta do cinema S.Jorge, em Lisboa, na sequência do primeiro dia do Ciclo de Cinema Espanhol que aí teve lugar, organizado pela embaixada de Espanha.
Vários companheiros estiveram à porta do referido cinema a distribuir panfletos que visam divulgar a situação desumana em que Amadeu se encontra, por denunciar diversos casos de violência e corrupção nas prisões catalãs. É este um tipo de situação que se vive diariamente em todas as prisões do mundo ou num mundo em que existem prisões.

Panfleto distribuído:

Liberdade Imediata
para Amadeu Casellas!

Amadeu Casellas Ramon é um militante anarquista espanhol encarcerado há mais de 23 anos por ter tomado parte numa série de assaltos a bancos com o objectivo de financiar lutas anarquistas e operárias na Espanha dos anos 70.

Por denunciar os abusos que ocorrem quotidianamente no interior do sistema prisional espanhol, e que incluem corrupção, violência sobre prisioneiros, mortes em situações pouco claras, assim como casos de tortura, Amadeu, que pertenceu, nos anos 80, à COPEL (Coordenadora de Presos em Luta), tem sido alvo de uma repressão adicional por parte do sistema carcerário, assim como de ameaças frequentes, tendo sido, por diversas vezes, submetido ao chamado “Primeiro Grau”, ou seja, o regime de isolamento, e sujeito a transferências constantes.

Apesar de, segundo a lei espanhola, ele ter direito à libertação imediata, visto que já foram transcorridos mais de três quartos da pena e que o tempo efectivo de prisão já superou, inclusive, o máximo permitido por lei (20 anos), Amadeu continua detido.

Em face desta situação, Amadeu Casellas tem-se visto forçado a fazer uso, por diversas vezes, da mais drástica forma de protesto a que um preso pode recorrer: a greve de fome. Em 2008, após uma greve de fome que se arrastou durante 77 dias, as autoridades acederam a dar início ao processo de libertação, que passaria por diversas fases até culminar numa saída precária de três dias, durante a qual Amadeu procuraria encontrar trabalho, podendo de seguida solicitar a aplicação do Artigo 100.2, que lhe permitiria uma saída diária para trabalhar, regressando todas as noites à prisão. Seguir-se-ia a esta fase a liberdade condicional. Este processo, contudo, foi bloqueado sem que houvesse para isso uma justificação satisfatória e consistente por parte das autoridades.

Em resposta à repressão sofrida após ter escrito um comunicado em que identificava algumas pessoas envolvidas em casos de corrupção nas prisões catalãs e exigindo a liberdade, Amadeu deu início a uma nova greve de fome, a 15 de Julho deste ano. Esta greve de fome prolongou-se até 21 de Outubro último, terminando por razões de saúde que inviabilizavam, sob risco de vida, o seu prosseguimento.

Apesar de se encontrar bastante magro e enfraquecido, Amadeu está a recuperar bem e demonstra-se disposto a prosseguir, uma vez mais e enquanto for necessário, a luta até conseguir a sua liberdade. Estamos aqui para demonstrar, tal como tantos outros companheiros e companheiras o fizeram em diversas ocasiões, um pouco por todo o mundo, a nossa solidariedade e apoio à luta do anarquista Amadeu Casellas.

Mais informação em: http://llibertatamadeu.blogspot.com/

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Publicação conjunta da Solidaridade Obreira da CNT-Galiza e do Boletim Anarco-Sindicalista da AIT-SP





Foi publicado o primeiro número do Anarco-Sindicalista, jornal em galego e português editado conjuntamente pela regional galega da Confederação Nacional del Trabajo (CNT, secção da AIT no Estado espanhol) e pela AIT-Secção Portuguesa.

A publicação pode ser descarregada em PDF aqui:
http://www.cntgaliza.org/files/Anarcosindicalista_n1.pdf

Os pedidos da edição em papel podem ser feitos para os seguintes contactos da AIT-SP:

Apartado 50029 / 1701-001 Lisboa / Portugal
e-mail: aitport@yahoo.com

Uma apresentação do jornal Anarco-Sindicalista em galego:

Esta é unha publicación certamente excepcional: son moi escasos os experimentos de comunicación e coordenación entre traballadoras e traballadores de zonas correspondentes oficialmente a países diferentes. Non ocorre así entre os empresários, políticos, explotadores vários: eles levan séculos aproveitando as fronteiras criadas por eles mesmos para sacar maior rendemento ao seu diñeiro. Os traballadores e traballadoras só recorremos ao paso desas fronteiras para fuxir da miséria na nosa terra. Vai sendo tempo de que as tornas cámbien, e que nós usemos as posibilidades que nos oferece a semellanza lingüística, cultural, territorial e histórica entre a Galiza e Portugal para proveito dos traballadores e traballadoras.

Non vai ser un camiño doado. Levamos moitos séculos de desconfianza e ignoráncia mútua, cando non de guerra directa, provocados polos intereses das clases altas. Só recentemente asistimos a un grande cámbio nas mentalidades, e cada vez que un galego ou un portugués cruzan agora aquela vella fronteira inzada de fortalezas, fortíns, gardas civís e gardiñas achegamo-nos un pouco máis a unha realidade que @s anarcosindicalistas levamos un século proclamando: os traballadores e traballadoras somos iguais en todas partes, somos seres humanos explotados, controlados, dominados e, sobre todo, divididos e manipulados por outros seres humanos dentro dun sistema social, político e económico que aproveita a nosa división para dominarnos máis eficazmente.

Comezamos este longo derrubamento do invisíbel muro no que fomos encerrados cun pasiño modesto: unha publicación conxunta na que todos e todas aprenderemos das nosas semellanzas e diferenzas e, sobre todo, de como podemos loitar xuntos por un mundo mellor.

CNT- A Coruña

Página da CNT-Galiza: http://www.cntgaliza.org/

Sobre a situação actual do António Ferreira

Após 43 dias, o António Ferreira saíu do isolamento no pavilhão de segurança esta 2ª-feira, dia 9 de Novembro.
O António voltou ao regime normal, e à "nova" cela que lhe estava destinada, porque a direcção da cadeia cedeu às suas duas principais exigências: o direito a ter, como era habitual, uma secretária com gavetas nesta nova cela (o candeeiro e a privacidade nos duches já lhe tinham sido garantidos) e a promessa de que o irão transferir em breve para um outro estabelecimento prisional, como é seu desejo.

... segue a tradução em Castelhano em Ler Mais

Durante este mês e meio, o António acabou por estar 5 dias em greve de sede, 14 dias em greve de fome e 8 dias em greve de silêncio. Não teve, por exemplo, acesso a uma caneta para poder escrever, apesar de lhe terem sido enviadas duas por correio. Nunca teve objectos pessoais, roupas ou leitura. Mas, mesmo assim, recusou-se a voltar para o regime comum sem que lhe garantissem que teria aquilo por que estava a lutar.
Esta luta específica demonstra uma vez mais a situação que o António vive nas prisões, em que a tentativa de abafar os protestos é tão evidente, que chegam a negar, até por escrito, que o António estava em greve de fome.
No entanto, as acções, o envio de cartas e faxes, os telefonemas pessoais e um protesto à porta da prisão, tornaram impossível a estratégia geralmente utilizada de isolar quem está daquele lado dos muros.
Acreditamos que a posição corajosa e firme do nosso companheiro, juntamente com toda a solidariedade que se demonstrou cá fora, fizeram com que o António não fosse mais um suicidado pelo regime de segurança!
Nada está terminado.
Não só o António continua preso e à mercê das "promessas" dos carcereiros, como todo este sistema e as suas prisões continuam a existir!
Pela continuação do ataque a esta sociedade-prisão!


Solidárixs com António Ferreira.

[Castelhano]
Después de 43 días, António Ferreira ha salido del aislamiento en el pabellón de seguridad este pasado lunes, día 9 de Noviembre.
António volvió al régimen normal, y a la "nueva" celda que tenía destinada, porque la dirección de la cárcel cedió a sus dos principales exigencias: el derecho a tener, como era habitual, una mueble con cajones en esta nueva celda (el candeeiro y la privacidad en las duches ya se le habían garantizados) y la promesa de que será transferido en breve para otro centro penitenciario, como es su deseo.

Durante este mes y medio, António finalmente estuvo 5 días en huelga de sede, 14 en huelga de hambre y 8 días en huelga de silencio. No tuvo, por ejemplo , acceso a un bolígrafo para poder escribir, a pesar de que le habían enviado dos por correo. Nunca tuvo objetos personales, ropas o lectura. Pero, aún así, rechazó volver al régimen común sin que le garantizaran que tendría aquello por lo qué estaba luchando.

Esta lucha específica demuestra una vez más la situación que António vive en las prisiones, en que la tentativa de silenciar las protestas es tan evidente, que llegan a negar, hasta por escrito, que António estuviese en huelga de hambre. Sin embargo, las acciones, el envío de cartas y faxes, las llamadas personales y una protesta en la puerta de la prisión, hicieron imposible la estrategia generalmente utilizada de aislar a quién está de aquel lado de los muros.

Creemos que la posición valiente y firme de nuestro compañero, junto a toda la solidaridad que se demostró aquí fuera, hicieron que António no fuera más un suicidado por el régimen de seguridad!

Nada ha terminado.

No sólo António continúa preso y a merced de las "promesas" de los carceleros, ¡todo este sistema y sus prisiones continúan existiendo!

¡Por la continuación del ataque a esta sociedad-prisión!

(desde portugal) Solidarixs con António Ferreira

domingo, 15 de novembro de 2009



O Ministério Público deduziu acusação a 3 eco-activistas pela acção não-violenta de destruição de milho transgénico no Algarve ocorrida em Agosto de 2007.


Pedro Filipe Prata,
Banco Espírito Santo,
Conta 0006 0947 8355,
NIB 0007 0000 00609478355 23,
IBAN PT50 0007 0000 0060 9478 3552 3,
SWIFT/BIC BESCPTPL

sábado, 14 de novembro de 2009

Dados da conta bancária do C.C.L. para donativos

C.C.L. bank account details for donations:


Titular/ Owner:

CENTRO DE CULTURA LIBERTÁRIA


Para transferências em Portugal /
For transfers inside Portugal:

NIB: 003501790000215493029


Para transferências do estrangeiro /
For foreign transfers:

IBAN: PT50003501790000215493029

BIC: CGDIPTPL


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Jantar de solidariedade com o Centro de Cultura Libertária e com companheirxs envolvidos no processo do 25 de Abril.

Sábado, 14 de Novembro, 19h30
no Centro de Cultura Libertária

Rua Cândido do Reis, 121, 1º Dto - Cacilhas - Almada


Contribuição livre

Aparece e divulga!!


mais info sobre o processo 25 de Abril 2007:

http://cravadonocarmo.wordpress.com/

http://redelibertaria.blogspot.com/2009/10/25-de-abril-de-2007_6183.html



segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Querem despejar o CCL!!!


O Centro de Cultura Libertária, espaço anarquista existente há 35 anos, está a ser ameaçado de despejo por parte do proprietário.

O CCL é um ateneu cultural anarquista fundado em 1974 por velhos militantes libertários que resistiram à ditadura, ocupando desde então o espaço arrendado no número 121 da Rua Cândido dos Reis, em Cacilhas. Tem sido um espaço fundamental para o anarquismo em Portugal acolhendo sucessivas gerações de libertários. O Centro possui uma biblioteca e um arquivo únicos em Portugal, com material anarquista editado ao longo dos últimos cem anos, assim como uma distribuidora de cultura libertária. Durante a sua existência, o Centro acolheu várias actividades, tais como debates, passagens de vídeo ou diversos ateliers. Diferentes publicações aqui se editaram, como a Voz Anarquista nos anos 70, a Antítese nos anos 80, o Boletim de Informações Anarquista nos anos 90 e o Húmus, mais recentemente.

Em Janeiro de 2009, foi instaurada por parte do proprietário do edifício uma acção de despejo contra o Centro. Esta acção foi contestada por vias legais, o que deu lugar a um julgamento que decorreu entre Setembro e Outubro. No dia 2 de Novembro, foi emitida a sentença que resultou na resolução do contrato de arrendamento, tendo sido dados 20 dias ao Centro para abandonar as suas instalações.


O Centro vai recorrer desta decisão. Nesta nova fase é preciso suportar custos que dizem respeito ao recurso e aos honorários do advogado. Até à data ainda não sabemos exactamente a quantia necessária mas, pelo que averiguámos, será necessário reunir umas largas centenas de euros.

O contexto que deu origem a este caso não diz respeito apenas ao Centro de Cultura Libertária, mas a todos aqueles que se vêm a braços com a falta de escrúpulos dos senhorios e restantes especuladores imobiliários. É importante relembrar que, ainda que este processo tenha sido iniciado sob alegações do ruído excessivo produzido pelos frequentadores do Centro, estão em causa outros interesses, nomeadamente o do senhorio em rentabilizar o espaço, alugando-o por um preço bastante mais elevado do que o praticado agora.

O desaparecimento deste Centro significaria a perda de um importante espaço de reflexão, debate, luta e resistência.

À semelhança dos/as companheiros/as que lutaram para que este espaço existisse, resistiremos uma vez mais, e NÃO perderemos o CCL nem às mãos dos tribunais, nem da especulação imobiliária nem por nada.

Continuaremos a lutar para que este espaço continue!

Toda a solidariedade e apoio que possam dar força à resistência do CCL é da máxima importância e urgência.

Saúde e Anarquia!!!

Centro de Cultura Libertária
07.11.09

Contactos:

E-mail: ateneu2000@yahoo.com

Correio:
Apartado 40
2800-801 Almada – Portugal

Blog: http://culturalibertaria.blogspot.com

domingo, 8 de novembro de 2009

Terra de ninguém - espaço anarquista - Lisboa - Programa de Novembro

clica na imagem para ver o programa

terra de ninguém- espaço anarquista
Rua do Salvador 56 (à Rua das Escolas Gerais)
Lisboa

terradninguem.blogspot.com
terraninguem@yahoo.com

Dia 14 de Novembro (sábado), às 16 horas:
Conversa sobre a esquerda e a direita na Alemanha
(com projecção do filme “The truth lies in Rostock”)
– Troca de experiências
seguido de jantar

Nos anos 90 a esquerda na Alemanha viveu uma serie de inquietações que lhe forçaram reformular algumas das suas ideias centrais. O grande crescimento de uma ideologia e prática racista brutalmente violenta e o nacionalismo na Alemanha depois da queda do muro de Berlim, fizeram parecer duvidosas as tentativas de agitação das massas para a luta revolucionária. Mais e mais grupos chegaram à conclusão que, mais do que agitar as massas seria, pelo contrário, necessário confrontá-las e lutar contra as suas motivações racistas, tal como contra todas as ideologias nacionalistas – nomeadamente dentro da própria esquerda. O facto de os neo-nazis hoje em dia se organizarem em grupos chamados “autónomos nacionalistas”, gritarem palavras de ordem literalmente citadas dos comunicados da esquerda e vestirem cachecóis da Palestina, ou seja, usarem a mesma linguagem que é usada pela própria esquerda, sublinha ainda mais a necessidade de repensarmos melhor e de uma maneira honestamente auto-crítica os nossos conteúdos políticos, símbolos e hábitos.

Queria conversar sobre algumas destas questões que surgiram na Alemanha, porque penso que seria igualmente interessante ponderar estas questões no contexto português. Para auxiliar o tema de conversa vai ser projectado o filme “The trues lies in Rostock” (legendado em inglês), que documenta os graves motins racistas que aconteceram nesta cidade em 1992, que para muitos anti-fascistas da altura tiveram um grande impacto.


Alfredo Bonanno e Christos Stratigopoulos

Os anarquistas Alfredo Bonanno e Christos Stratigopoulos estão detidos na prisão de Amfissa, na Grécia.
Christos está acusado de assalto, Alfredo de cumplicidade em assalto.
Os advogados interpuseram um recurso com o objectivo de pedir a prisão domiciliária para Alfredo, por razões de saúde.

Os companheiros podem receber correio para a seguinte morada:
TZAMALA 3 33100 AMFISSA GRÉCIA

Benefits de solidariedade estão a ser organizados na Grécia e noutros locais.
Os companheiros que queiram saber mais, ou contribuir para o fundo de solidariedade, deverão entrar em contacto para o email: smolikas2@gmail.gr

Solidariedade revolucionária com o Alfredo e o Christos, e com todos aqueles em luta contra este mundo de prisões e bancos.

Alguns anarquistas da Grécia e não só

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Boicote de acto cultural em Barcelona em solidariedade com António Ferreira.

Quarta-feira, pelas 19h, um grupo de solidários com António Ferreira
boicotou a apresentação de uma nova antologia poética portuguesa em
Barcelona. O acto, organizado pelo consulado português no Ateneu
Barcelonès(equivalente ao grémio literário em Lisboa), foi a primeira de
uma série de iniciativas para vender a triste "cultura" portuguesa em
Barcelona que decorrerão durante o mês de novembro. Esta apresentação
contava com a presença, para além do cônsul Bernardo Futscher, de dois
"poetas" lusos, Ana Luísa Amaral e –uma dessas figuras que nunca
percebemos bem se aspira mais a ser poeta ou político– Vasco Graça Moura.
Infelizmente, Manuel Alegre(outro que tal), cuja presença também era
orgulhosamente anunciada na página de internet do consulado, não pôde
assistir por encontrar-se doente, desejamos-lhes as rápidas melhoras e
esperamos que algum dos panfletos distríbuidos no acto lhe chegue às mãos.
No fim de algumas palavras desestabilizadoras ficou bem plasmado o apoio
ao António, assim como ao preso catalão Amadeu Casellas.

A situação do António continua num limbo imprevisível e o nosso apoio
continuará até vê-lo definitivamente em liberdade. Aqui estamos e aqui
estaremos...



Texto que foi distríbuido durante o boicote:


Como herege, desci ao antro estreito,
às masmorras infectas e sombrias,
onde, enterrado, vivo, há longos dias,
sem ver o Sol, que em vão, à grade espreito
Roberto das Neves

Num país de poetas existem pessoas a cumprir penas de prisão perpétua. Num
país de poetas há centros de extermínio onde as denuncias de torturas são
reiteradamente silenciadas. Num país de poetas a única poesia ainda viva
late na revolta de cada homem e mulher encerrado nas masmorras da
democracia.

António Ferreira de Jesus, nascido em 1940, num meio familiar
economicamente pobre, não conforme com a desigualdade social a que estava
submetido, pôs em práctica a sua rebeldia e foi detido a primeira vez
quando tinha 17 anos de idade.
Depois destes acontecimentos foi sequestrado outras três vezes pelo estado
fascista(até 1974) e pelo estado democrático. Na totalidade já cumpriu
mais de 45 anos de prisão! 45 anos sequestrado pelo Estado!
Como pessoa que nunca deixou de reivindicar os seus direitos e convicções,
que nunca se deixou amordaçar e que sempre manteve uma atitude combativa
dentro da prisão, António sofreu um tratamento muito descriminatório por
parte de todo o aparato da “Justiça”. No seu caso, o cúmulo jurídico não
lhe abrangeu todas as penas deixando-o numa situação equivalente a uma
condenação perpétua; e o juiz da execução de penas, “interpretando” as
leis à sua própria maneira, leva a que o António (que legalmente deveria
estar em “liberdade” há mais de 6 anos) continue a cumprir uma perpétua
encapotada. Até 2007 já lhe foram oficialmente atribuídas 3 datas para a
apreciação da liberdade condicional .
Actualmente, e depois de ter passado estes últimos anos pelos
Estabelecimentos Prisionais do Hospital Prisional de Caxias, Vale de
Judeus e Paços de Ferreira, António encontra-se encarcerado no E.P. de
Pinheiro da Cruz, sujeito à classificação por parte da Direcção Geral dos
Serviços Prisionais (D.G.S.P.) de “preso perigoso” e submetido ao controle
e vigilância permanente (G.I.S.P.) em todas as suas deslocações.
António é considerado perigoso para o sistema porque defende a sua
dignidade, porque é solidário com os seus companheiros e porque denúncia
a barbaridade do sistema.
O António, na noite de 28 de Setembro de 2009, foi submetido á prisão
dentro da prisão, ou seja, ao regime 111º, com a separação de toda a
população prisional; e a partir desse momento começou uma greve de fome ,
a qual, por motivos de saúde, suspendeu a 12 de Outubro.
Nestes momentos a luta do António centra-se em presionar uma transferência
para outra prisão, já que no E.P. de Pinheiro da Cruz a sua vida corre
perigo, tanto pelas ameaças já várias vezes proferidas, como pelas
repetidas induções ao suicídio por parte do Sistema.

Solidariedade com o António e com todos os presos combatentes!
Pela reapropiação das nossas vidas roubadas pelo domínio!


+ informação: http://libertemferreira.no.sapo.pt

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

A RaDIYo CasaViva tá no ar...


...aos sábados, a partir das 17hrs "sintoniza-nos" em radiocasaviva.blogspot.com

e como a rádio é feita por tod@s nós,
vimos por este meio informar-te que podes tornar-te parte dela:

- grava (não precisa de ser nenhuma gravação xpto, basta haver um micro) a agenda de actividades do teu colectivo, as conversas que por aí se passam, a poesia que curtias divulgar, a música que fazes ou curtes escutar, as ideias que te passam pla cabeça, tudo aquilo que te apetecer e envia-nos (em mp3) para
radiocasaviva@gmail.com


(á falta de melhor... manda-nos um mail, que o divulgaremos no programa de sabado. embora seja sempre da nossa preferencia que seja feito por ti mesm@... gostamos de ouvir as nossas vozes)

porque a informação independente somos nós que a fazemos!
participa e divulga!