terça-feira, 6 de outubro de 2009

RELATO DE UMA CONCENTRAÇÃO EM SOLIDARIEDADE COM ANTÓNIO FERREIRA


No dia 03 de Outubro, Sábado, 16 pessoas deslocaram-se ao Estabelecimento Prisional de Pinheiro da Cruz, onde António Ferreira continua isolado no pavilhão de segurança.

Segundo apontam as respostas que obtivemos, apesar da tentativa de encobrir e esconder este protesto, ele encontra-se em greve de fome e de silêncio desde dia 28 de Setembro. Como não há nenhum contacto directo com ele, nem a cadeia dá essa informação, não sabemos se está em greve de sede, porque são já demasiados dias sem beber, sem que o transfiram para o hospital prisional.

A concentração decorreu durante 2 horas e meia, período que coincidiu com o horário das visitas. Foi distribuído um folheto com um texto informativo da situação do nosso companheiro e gritaram-se frases contra as prisões, o estado e os carcereiros. Fez-se o máximo de barulho possível na tentativa de dar a conhecer a nossa presença para dentro dos muros.

Apesar da chegada da GNR mais para o fim da concentração, não houve sequer identificações. A nossa presença foi um incómodo para a "normalidade" do funcionamento da prisão, as pessoas que íam visitar reclusos mostraram-se solidárias várias vezes e muitos dos carros que por ali passavam apitavam para dar força. Temos informação de que alguns folhetos passaram para dentro e circularam entre os presos.

No entanto, o companheiro António Ferreira continua isolado do resto dos presos e, portanto, supomos que sem conhecimento da nossa presença nesse dia à porta da prisão.


É urgente continuarmos a pressionar com tudo o que esteja ao nosso alcance, mostrando assim a nossa solidariedade com quem não se deixa calar por este sistema!


"Que cada voz se torne num trovão que fere os ouvidos, que cada faísca se torne num fogo selvagem que faça ruir e incendeie este mundo podre de celas visíveis e invisíveis."
Giannis Dimitrakis


TEXTO DISTRIBUÍDO DURANTE A CONCENTRAÇÃO:

António Ferreira de Jesus em protesto.

Solidariedade com os presos em luta.

António Ferreira de Jesus começou um protesto contra as falhas na reforma das celas. É verdade que deixou de existir o "balde higiénico" no E.P. de Pinheiro da Cruz, mas os reclusos perderam direitos que já lhes eram conferidos: o direito a ter luz de leitura na cela sem ter de fazer pedidos à directora, ou por exemplo o direito à privacidade no duche sem ter de partilhar o chuveiro com 6 outros reclusos.
No passado dia 28 de Setembro, o António foi transferido à força para o pavilhão de segurança (conhecido entre os recluso como Big Brother) como castigo pela sua recusa em ser transferido para a ala 3.
Neste momento o António encontra-se incomunicável desde segunda-feira e apesar de ser difícil conseguir saber o que se passa, temos a informação de que está em greve de fome, sede e silêncio.
Do E.P só nos dizem que o António não preencheu o impresso da greve de fome (!) e quando lhes é perguntado se ele está a comer ou a beber, não confirmam nem desmentem e apenas nos é dito que "ele está a ser acompanhado pela equipa médica". Tanto estas "respostas" como a sua atitude revelam que a direcção da prisão está declaradamente a encobrir uma greve de fome negando-se a dar informações que sejam dignas desse nome.
Perante esta situação exigimos que seja satisfeita a reivindicação de transferência para outro E.P. feita pelo António.
Estamos aqui hoje em solidariedade com António Ferreira e com todos os presos que lutam e se erguem contra o sistema prisional.
Não existem reformas possíveis para uma prisão, pois estas são centros de extermínio e só a sua destruição é solução.