sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Tourné da banda anarco-punk LOS DOLARES

Concertos no Porto (dia 2), Coimbra (dia 4), Setúbal (dia 7) e Aljustrel (dia 8)

Uma iniciativa em beneficiência da criação de um fundo para apoio a imigrantes


 

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Ciclo Migrações - Cinema + Tertúlias - Colectivo Tertúlia Liberdade - Lisboa


MovieLização é um novo projecto que se serve do cinema (documentário e ficção) como meio para interrogar a realidade (ou realidades) em crise, e que pretende divulgar e tornar acessíveis autores e obras que não tendem a correr nos circuitos comerciais.
O cinema como ferramenta social que ajude a questionar o actual modelo de desenvolvimento, a dar visibilidade às lutas dos povos e a perspectivar mudança social. Ver e pensar os problemas e desafios que se nos colocam, e promover assim, acesso a informação diversificada e ao debate documentado.
Um projecto baseado na difusão, na reflexão e na acção através da troca e do intercâmbio colectivo para lutar por um mundo sem lutas. .
Ciclo “Migrações” no Crew Hassan (Rua Portas Sto Antão, 159. Lisboa)
Horário_1ª e 3ª quinta de mês na Crew Hassan às 21h
.
Próxima Sessão: 6nov_No en Senegal [Toni Polo. 45’ Esp, 2007]: Iniciativais sociais no Senegal para diminuir a emigração e desenvolver as economias locais._tértulia sobre a situação social na África subsahariana

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Programa de actividades do Centro de Cultura Libertária - Cacilhas - para o mês de Novembro

Dia 1 de Novembro

Conversa informal sobre Thomas Meyer-Falk, que se encontra detido na
Alemanha, com a presença de um companheiro de Amsterdão: 16h

Jantar Benefit Prisoner Family support fund: 20h

Dia 8 de Novembro

Debate: 16h

OPERAÇÃO GLÁDIO

A Extrema-Direita e as Operações Clandestinas da NATO na Europa do Pós-Guerra
No momento em que se assiste ao aumento da influência da extrema-direita
na Europa, e no instante em que o espectro da falência das economias, como
nos anos trinta, se vem juntar a toda uma convulsão dos relacionamentos
politicos e sociais internacionais, relembramos o surgimento, estrutura e
acções dos movimentos clandestinos de direita e extrema-direita englobados
na chamada Operação Gládio.
Durante e após a Guerra Fria estas operações subterranêas tiveram uma
grande importância, nunca relevada e discretamente esquecida.
Através de um breve historial e apresentação de casos marcantes, como o
assassinato de Aldo Moro ou da sua ligação com o crime organizado holandês
- e sem esquecer o seu braço português: a Aginter Press -, pretende-se
debater a sua existência e pertinência nos nossos dias.

Jantar Benefit Prisoner Family support fund: 20h

Dia 15 de Novembro

Passagem de filme: 16h

Life and Debt

"Documentário de Stephanie Black que nos fala sobre a situação de
dependência económica do FMI e das grandes multinacionais na Jamaica após
a independência do país" Dur. apróx. 89 min - Língua: Inglês

Jantar Benefit Prisoner Family support fund: 20h

Dia 22 de Novembro

Debate: 16h



Como criar uma teoria da conspiração

Somos manipulados. É um facto.
O excesso de informação e da informação, a falta de informação e o
descrédito da informação são uma forma dessa manipulação.
Os ataques de antrax, após o 11/9 e o recente "suicidio" do investigador
Bruce Ivins (um dos peritos da investigaçlão do FBI sobre os ataques,
co-autor da vacina mais recente contra o antrax - vacina essa um dos
produtos mais rentáveis de uma das empresas do grupo Carlyle -, e agora
considerado o único responsável por esses ataques que tanto contribuiram
para criar o medo das armas de destruição maciça do regime iraquiano), são
uma boa amostra do escamoteamento e/ou distorção de factos e exemp+lo da
manipulação da opinião pública.
Num debate sobre casos sérios, espera-se apoiar a criação de novas teorias
conspiratórias.

Jantar Benefit Prisoner Family support fund: 20h

Prisoner family support fund: Please donate.

http://culturalibertaria.blogspot.com

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Espanha: Manifestações contra o Plano Bolonha e a privatização da educação


Em Portugal, o processo de Bolonha foi aplicado praticamente sem contestação, mas em Espanha, como noutras regiões da Europa, sucedem-se as manifestações contra o Plano Bolonha e contra todas as leis que vão levando à destruição da escola pública e à transformação das escolas e universidades em espaços privatizados e elitistas, que apenas reforçam a competição e a ausência de solidariedade, próprias das sociedades capitalistas.

O dia 22 de Outubro foi data de mobilizações, em várias cidades do Estado espanhol, contra a reforma educativa associada ao Plano Bolonha, contra a privatização do ensino e contra a degradação da escola pública.

Sobre o processo de Bolonha escreve o Sindicato do Ensino e Intervenção Social da CNT-AIT de Madrid (http://ensemad.cnt.es/)

www.ait-sp.blogspot.com



a tua prima leva o filme...2ª, 27 outubro 22h00 entrada livre - Casa Viva - Porto



Sinopse

Após não conseguir acordar de um sonho, um jovem passa a encontrar pessoas da vida real em seu mundo imaginário, com quem têm longas conversas sobre os vários estados da consciência humana e discussões filosóficas e religiosas.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Empresa FIDAR - Gondar/ Guimarães - Um caso de resistência ...





Na última sexta-feira, dia 17 de Outubro, os trabalhadores da empresa FIDAR, do concelho de Guimarães, puderam libertar alguma carga humana da frente das instalações desta mesma empresa, após dois meses e meio de protestos continuados, dia e noite no local.
.
A decisão de levar a cabo a insolvência da empresa por parte do tribunal do trabalho de Guimarães, no dia 15 de Outubro, foi a garantia para os trabalhadores e restantes credores da empresa que iram receber as respectivas indemnizações. Claro está que será impossível quantificar os anos de dedicação destes trabalhadores, grande parte com mais de trinta e cinco de casa, tal como, uma vida subjugada à miséria do trabalho capitalista (...)
.
Nesse tempo de resistência, várias situações de total desrespeito para com os trabalhadores sucedem-se, quer por parte da administração da FIDAR, quer por parte da GNR.
A Guarda Nacional Republicana não só deu cobertura a essa administração, ao insultar e intimidar os trabalhadores, como age contra o tribunal de Guimarães, ao evitar que o patrão da FIDAR seja sujeito, a dada altura, a uma verificação da sua viatura pessoal, como modo de certificação que não transportaria consigo património da fiação.
.
O tribunal do trabalho de Guimarães decide, finalmente, convocar uma Assembleia de Credores para 27 de Novembro, com o objectivo de canalizar toda a receita em máquinas e matéria-prima restante dentro das instalações da fábrica, aos credores da ex- FIDAR e actual INCOTEX.
.
Ao contrário do que outros media afirmam, os trabalhadores continuam a ter que vigiar dia e noite o que lhes pertence, uma vez que, tendo esta sido a FIDAR vendida à empresa Incotex, não é possível impedir de entrar na fábrica quem venha em nome desta última empresa e essa situação poderá dar origem a desvios de património e mesmo estratagemas por parte do patrão para fazer sair informação e bens da FIDAR.
.
Assim sendo, os trabalhadores, em grupos mais reduzidos, continuam a ter que permanecer nas instalações da empresa dia e noite, substituindo-se, quer à empresa de segurança contratada pelo patrão, quer à GNR, que já demonstrou não ser de confiança.
.
A FIDAR é uma pequena - média empresa de têxteis sediada na região de Gondar, Guimarães que fechou as portas no fim do mês de Julho por alegada baixa de produtividade. Deixou no desemprego 150 trabalhadores, alguns aceitaram a proposta de rescisão da empresa, mas a maioria não, e são esses que têm mantido o protesto e a vigilância nas instalações da fábrica.
.
.
Um trabalho do Colectivo Anarquista Hipátia, Porto
http://hipatia.pegada.net/?p=50




terça-feira, 21 de outubro de 2008

CÍRCULO de ESTUDOS SOCIAIS LIBERTÁRIOS DO TERRA VIVA

6 de NOVEMBRO:
–Excertos dos filmes “REDS”( parte ) e “Makhno e a Ucrânia”(parte) – debate sobre a “Revolução de Outubro” e os anarquistas russos –história e actualidade.
No GATO VADIO–Livraria/Bar - Rua do Rosário, 281 –Porto

3ª, 21 outubro, 22h00 - entrada livre ...um filme para disfarçar o picante do jantar... - Casa Viva - Porto

Já que o David foi dispensado do serviço de cozinha, dedica-se aos filmes.O Labirinto de Fauno é a escolha com pouco picante e beleza q.b., outra visão da guerra civil espanhola.aprox. 2h00m

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Duas Noites Net labels

Música livre! Música grátis!

“Netlabels: editoras de música cujas edições são gratuitamente distribuídas através da internet em formatos digitais de audio.

A maioria das netlabels funciona ao abrigo das licenças Creative Commons.”


Será uma noite integralmente dedicada ao netaudio - edições disponíveis em formatos digitais / virtuais por uma série de editoras de música que acreditam em meios de distribuição e divulgação alternativos aos habitualmente utilizados pelas editoras convencionais - a Internet e todas as ferramentas que oferece.

Ouvir-se-ão, nesta noite, edições disponibilizadas gratuitamente na Internet através de muitas das netlabels que coexistem num universo em expansão acelerada ainda que, longe dos ouvidos do grande público. Ao longo desta noite será possível ouvir as mais estimulantes novidades em distintas áreas musicais das mais importantes e inovadoras netlabels actualmente em actividade.




Mais uma jornada do Beats Play Free. Desta vez ps, dono da primeira netlabel nacional Enough Records ruma às terras de Além-Tejo para mais uma viagem auditiva ao mundo do netaudio.


quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Boletim Anarco-Sindicalista nº 28 (Outubro - Novembro 2008)

Boletim Anarco-Sindicalista nº 28 (Outubro - Novembro 2008)
Publicação da Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa
http://ait-sp.blogspot.com/

Descarrega em PDF aqui:
- Versão para net (em A4; 1,5 Mb):
- Versão para impressão (em A3; 5,5 Mb):

Neste número do Boletim:
- Cerâmica Torreense: mais um caso de repressão patronal
- Vila Verde: Trabalhadoras de fábrica têxtil impedem saída das máquinas
- Barcelos: Tor encerra e deixa 255 trabalhadores no desemprego
- Operários da Camac (Santo Tirso) em greve devido a salários em atraso
- Três milhões de euros de salários em atraso no primeiro semestre de 2008
- Trabalho infantil perdura em Portugal
- Metade dos trabalhadores portugueses ganha até 600 euros
- Empresa FIDAR – um exemplo de resistência. Há dois meses em contestação em frente às instalações da fábrica
- A “crise” do sistema financeiro. Será que os parasitas “foram longe demais”?
- Código do Trabalho? Não, Código do Capital!
- Instituto de (Des)Emprego
- Protestos e razões para protesto no País do medo
- Não à nova guerra do Cáucaso!
- Dias de Acção Global da AIT
- A FORA-AIT ganha conflito com o restaurante La Pérgola
- Sevilha: Foi assassinada a companheira Rosa Pazos
- Despejo do Centro Social Libera de Modena em Itália
- Greve de fome do anarquista Amadeu Casellas durou 76 dias
- Supremo Tribunal dos EUA rejeita recurso de Mumia Abu-Jamal
- O que é uma organização anarco-sindicalista?

16 DE OUTUBRO : DIA MUNDIAL ANTI - Mc Donalds ou Mc MERDA


O Mac Donald's possui grandes extensões de terras cultiváveis em países pobres da América Latina (Inclusive o Brasil), onde a desnutrição atinge milhões de pessoas.
A maior parte de suas colheitas serve de "refeição"para o gado bovino que, posteriormente se transforma em hambúrgueres aquie nos países desenvolvidos. Desta maneira, a energia que se poderia obterde produtos como os cereais, é subtraída da população local e utilizadapara produzir produtos elaborados (como os hambúrgueres) para consumidoresdo 1º Mundo. Algo em torno de 145 milhões de toneladas de cereais dadas ao gado, produzem apenas 21 milhões de toneladas de carne e produtos elaborados.
.
.
.
CINCO MOTIVOS PARA BOICOTAR O MAC DONALD'S (E SIMILARES).
.
.
.
1) O Mac Donald's possui grandes extensões de terras cultiváveis em paísespobres da América Latina (Inclusive o Brasil), onde a desnutrição atingemilhões de pessoas.
A maior parte de suas colheitas serve de "refeição"para o gado bovino que, posteriormente se transforma em hambúrgueres aquie nos países desenvolvidos. Desta maneira, a energia que se poderia obterde produtos como os cereais, é subtraída da população local e utilizadapara produzir produtos elaborados (como os hambúrgueres) para consumidoresdo 1º Mundo. Algo em torno de 145 milhões de toneladas de cereais dadas aogado, produzem apenas 21 milhões de toneladas de carne e produtoselaborados. Uma pesquisa sobre o estado dos animais utilizados para acorte criticou cada um dos aspectos do processo, desde o transporte até oabate. Os animais no abate são aturdidos quase sempre de maneira poucoeficaz, fazendo com que estes sejam degolados ainda plenamenteconscientes..
.
.
2) As importantes florestas do mundo são destruídas em ritmo acelerado porempresas como o Mac Donald's, para o plantio de pastagens. Na Amazôniaexistem mais de 100 mil cabeças de gado que necessitam, a cada ano, demais 120 mil hectares de área de pasto, para prover o cardápio da cadeiafast-food..
.
3) O cardápio do Mac Donald's é baseado, principalmente, na carne.Umapesquisa sobre o estado dos animais utilizados para a corte criticou cadaum dos aspectos do processo, desde o transporte até o abate. Os animais noabate são aturdidos quase sempre de maneira pouco eficaz, fazendo com queestes sejam degolados ainda plenamente conscientes..
.
4) A comida do Mac Donald's não é saudável devido ao seu alto conteúdo degordura animal, açúcar, sais e aditivos químicos. Contribui também para aobesidade pois, a seu alto conteúdo de gordura, soma-se ainda que a poucaquantidade oferecida induz a pessoa a comer muito, causando intoxicaçõesimperceptíveis a curto prazo.
.
.
5) As condições de trabalho dos empregados do Mac Donald's são péssimas ossalários são baixos, a organização dos trabalhadores é inexistente, arotatividade é enorme, a competição entre os trabalhadores é incentivada eo trabalho, em si, é muito desagradável. A maior parte dos trabalhadorestem idade inferior a 21 anos.
.
.
.
Extraído da Rivista Anarchica (Itália)

Outubbro - Centro Social da Mouraria - Lisboa








terça-feira, 14 de outubro de 2008

13 de Outubro - PARABÉNS C.O.S.A pelo seu 8º Aniversário

O colectivo anarquista Hipátia do Porto vem por este meio mostrar-se solidário com todxs os que mantém a Casa Ocupada Autogestionada de Setúbal no activo ao longo destes oito anos.
Algumas de nós viveram a história do sítio desde a sua ocupação, outrxs vêm neste espaço autónomo um verdadeiro bastião de resistência e inspiração para as suas lutas diárias contra todo o tipo de controlo do homem e do mundo.
A C.O.S.A constitui a ideia mais efectiva, em Portugal, que a autogestão não é uma realidade perdida no tempo ou fora da história, ideia cada vez mais difundida pela lógica capitalista. Diremos mais efectiva, na medida em que, existe como espaço não só mental, mas também físico e que pela sua longevidade, mudou profundamente a vida de muitos dos anarquistas portugueses. Com todos os problemas que teve que enfrentar ao longo destes oito anos, desde represálias por parte da Câmara Municipal de Setúbal, que imediatamente tentou tornar a vida dos seus habitantes uma impossibilidade ao proceder a cortes de água e luz, desde circos infinitos com a polícia de (in)segurança pública que atenta, entre outras mais absurdas intervenções, contra a liberdade de expressão, desde membros infiltrados de partidos políticos que depois dão origem a registos mediáticos falaciosos e mesmo várias e bem graves querelas com o Partido Comunista setubalense, por princípio forte opositor de movimentos alternativos independentes ou não autoritários. A cidade de Setúbal, por seu lado, de cada vez que tenta encaixar este
fenómeno é confrontada com o uma nova vaga de iniciativas libertárias, na sua natureza, e logo deve perceber que existem dinâmicas mutantes, isto é, que não se deixam captar sobre quaisquer formas ou dominar.
A Casa Ocupada Autogestionada de Setúbal nunca foi um fim em si mesma, deu origem a diversas outras iniciativas semelhantes de ocupações e actividades alternativas na cidade, arredores e ao nível nacional. Um fenómeno que lembra uma dinâmica rizomática ou um movimento que quereríamos e queremos perpétuo.
É por este e muitos muitos outros motivos que o Colectivo Hipátia do Porto vem dar os parabéns ao pessoal da C.O.S.A, pelo que contribuiu para as diversas dinâmicas por que passou e pelas vindouras.

PARABÉNS C.O.S.A,

Colectivo Hipátia

15 de Outubro - 18h -Biblioteca pública de Évora


Apresentação em ÉvoraAtlas do Ambiente do Le Monde diplomatique
Com a participação de:
José Janela - Quercus
Júlio Henriques - Le Monde diplomatique - edição portuguesa
A apresentação terá lugar na Biblioteca Pública de Évora, no dia 15 de Outubro, quarta-feira, às 18h.
A entrada é livre, participa

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Conversa com Jorge Valadas na Letra Livre - 17 de Outubro - 18.30h

..
Conversa com Jorge Valadas no dia 17 de Outubro, pelas 18.30h, sobre o seu livro «A Memória e O Fogo», um ensaio político sobre o século XX português, na livraria Letra Livre.
.
Livraria Letra Livre
Calçada do Combro, 139
(Bairro Alto)
1200-113 Lisboa
..



sábado, 11 de outubro de 2008

Solidariedade com @s trabalhador@s imigrantes e activistas sociais!



Porto: um processo do S.E.F. a activistas sociais por “difamação”…
ez no passado mês de Junho dois anos que as associações TERRA VIVA! AES, ESSALAM (associação de magrebinos), AACILUS (afro-brasileira) e MUSAS decidiram convocar uma Conferência de Imprensa e, mais tarde, uma “Manifestação de Luto Imigrante” no Porto (na qual participaram outras associações e colectivos sociais) contra o tratamento discriminatório no SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) do Porto que, conforme denunciado pela comunidade paquistanesa local (entre outras), estaria na origem do suicídio do operário de construção civil, precário, imigrante paquistanês, Hamid Hussain.

Este processo vai agora a julgamento em Dezembro de 2008 nas pessoas de quatro activistas associativos representantes das quatro associações (respectivamente Paiva, Rachid, Flávio e Abílio M.).

Com efeito, Hamid Hussain, casado e pai de 2 filhos e a residir legalmente havia 5 anos em Portugal, trabalhador precário como milhares de outros, portugueses e imigrantes, tinha sido confrontado no SEF do Porto com a exigência de provar, para poder renovar a sua autorização de residência, ter um rendimento anual de mais de 5400 €… Alegando justamente que muitos trabalhadores portugueses não aufeririam anualmente essa quantia, Hussain exigira então que o Estado português lhe devolvesse os seus descontos para a Segurança Social de forma a poder regressar ao seu país. Ridicularizado, enxovalhado e mal tratado – o que não era nem será, ainda hoje, caso único no SEF do Porto! -, ameaçado de expulsão, conforme contara a amigos seus, Hussain entrou em depressão e acabaria por se suicidar saltando da ponte D. Luís.

Apesar de ter nas suas roupas a sua documentação pessoal (passaporte e número de contribuinte), os seus amigos e familiares só uma semana depois saberiam do sucedido por terem procurado o seu corpo na Instituto de Medicina Legal do Porto, onde já se preparava a sua incineração sem qualquer informação ao consulado ou aos seus familiares e amigos.

A TERRA VIVA! AES, na altura em parceria activa com várias associações dos meios imigrantes do Porto, através do seu projecto “Fazer Caminhos” do âmbito do Programa ESCOLHAS (patrocinado pelo então ACIME – agora ACIDI), seria por causa desta denúncia pública chamada primeiro “à capa” pela delegação do ACIME do Porto – justificando então a sua acção pelo facto de ter responsabilidades sociais na defesa dos trabalhadores imigrantes e no desenvolvimento da inserção do seu projecto nesses meios – até porque tinha em preparação um outro projecto para o triénio 2006-2009 em parceria com seis associações imigrantes da área do Grande Porto (projecto esse que entretanto acabou por não ser apoiado pelo “Escolhas/ACIME”…). A seguir, em Dezembro de 2006, os quatro activistas da Terra Viva!, ESSALAM, AACILUS e Musas, receberiam a acusação de “difamação agravada” do “bom nome” do SEF em processo movido por aquela autoridade policial.

Entretanto também, poucos meses após estes factos, o responsável local do SEF, Eduardo Margarido – cuja demissão fora exigida tanto na manifestação como em abaixo-assinado a circular na altura –, acabaria por ser afastado da chefia da delegação daquela polícia no seguimento de diversas queixas de imigrantes e associações.

Como muitos dos motivos que levaram estes e outros activistas a agir continuam a existir, apela-se a todos @s activistas sociais e libertári@s, associações imigrantes e de solidariedade imigrante que se solidarizem e façam ouvir a sua voz!

VIVA A SOLIDARIEDADE INTERNACIONAL DE TRABALHADORAS/ES E “EXCLUÍD@S”!
NÃO AO RACISMO, NÃO À EXPLORAÇÃO, NÃO À EUROPA FORTALEZA!
LEMBREMOS HAMED HUSSAIN!


Porto, 29 /06/2008

(em breve, em data e local a marcar, será organizada uma reunião de solidariedade e informação)
www.ait-sp.blogspot.com

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

10, 11 e 12 - artes da lua d`outono - Colectivo Germinal - Coimbra


Colectivo Germinal — Associação Cultural

O Colectivo Germinal nasceu da iniciativa de um conjunto de activistas interessad*s em criar uma plataforma legal para ampliar e formalizar a sua intervenção social.
Legalizado como Associação Cultural em 2002, o Germinal tem a sede no Concelho da Lousã. Entre os membros contam-se artesãos, agricultores, artistas plásticos e performativos, estudantes, professores, terapeutas, pessoas para quem a sua vertente de animação social e cultural é um prolongamento natural da forma como organizam e vivem o seu quotidiano.
No decorrer da sua existência o Colectivo Germinal tem acolhido e promovido iniciativas que procuram melhorar a qualidade de vida, protegendo a Natureza e a Mãe-Terra, questionando o consumismo e o mercantilismo, promovendo a organização em rede de cidadãos, grupos, associações.
Actualmente o Germinal desenvolve em parceria Acções de Reflorestação centradas na região do rio Côa.
Está igualmente empenhado na realização do artes da lua d'outono, sendo-lhe particularmente importante a área do Encontro de Educação Alternativa, pela importância que o tema assume na procura de um equilíbrio sustentável no desenvolvimento social. Igualmente tem vindo a intervir em questões relacionadas com a protecção da floresta e animação cultural na zona onde está sedeado e na Região Centro. Os seus membros apoiaram, de forma individual e enquanto Colectivo a realização do Ecotopia 2007, em Portugal.




.As Artes de Outono__ 2ª Edição




.......O artes da lua d'outono, na sua 2ª edição em Coimbra, é um encontro de famílias, que se organiza num espaço aberto, plural e auto-organizado, de entrada gratuita, de quem pensa criticamente o mundo que habita e quer participar na sua construção, através de acções criativas, sustentáveis e participadas.

.

.....O nosso desafio, como grupo de projecto, é a criação de uma rede de apoio para que este evento seja concretizado apenas com práticas de entre-ajuda, troca de apoios, trabalho voluntário e donativos, das pessoas e organizações que acreditam e partilham de uma mesma visão do mundo, do ser humano e da relação entre os seres.

....Este evento tem em vista contribuir para a germinação de projectos nas áreas da educação , expressão , desenvolvimento pessoal e estilos de vida sustentáveis.

....O bem estar colectivo da comunidade do artes é o resultado da contribuição de cada pessoa . O evento conta com o apoio da Câmara Municipal de Coimbra e da Rádio Universitária de Coimbra.

A Visão que nos guia


..Desejamos manifestar uma sociedade pacífica e criativa, na qual o trabalho mais valorizado e recompensado – e a principal prioridade social – seja o desenvolvimento integral do ser, nas suas dimensões física, mental e espiritual ; uma sociedade organizada em círculo, no qual as “crianças” e “jovens” participam com as “pessoas adultas” na construção do mundo de que fazem parte e onde se pratica o Amor, a Tolerância, a Consciência e a Responsabilidade Individual pelo Bem-Estar Colectivo.
.......................................................................

.........................
Os objectivos

......O artes da lua d’outono pretende constituir um momento de encontro entre famílias e juntar protagonistas para a partilha, sobretudo com quem está fora dos circuitos alternativos e demontra interesse por projectos e experiências do que em Portugal se faz nas seguintes áreas:* educação integral e libertadora,* vida comunitária,* produção artesanal e ecológica,* medicinas naturais e tradicionais,* maternidade natural, consciente e intuitiva,* desenvolvimento pessoal,* protagonismo infanto-juvenil,* espiritualidade infantil,* culturas marginais,* sustentabilidade.Este ano terão lugar no artes da lua d'outono um Encontro de Educação Integral e Intuitiva, um Encontro de Fadas, Palhaç*s e Feiticeir*s, e um Mercadilho do Artes.

......A OrganizaçãoComeçou por ser um projecto do Colectivo Germinal, que hoje se expandiu para uma iniciativa organizada por vários indivíduos e colectivos que dele querem fazer parte. Caso queiras participar e colaborar na realização deste projecto, contacta-nos.A organização do artes da lua d’outono conta unicamente com o trabalho voluntário dos elementos do grupo de projecto e de uma equipa alargada de apoio.As receitas têm origem em patrocínios seleccionados, donativos dos visitantes, aluguer simbólico de espaços no Mercadilho e da zona para acampar, bem como nos lucros da cozinha comunitária. Os lucros no final de cada edição revertem para a realização da seguinte.
..................................................................

A história


Hà 7 anos atrás, se a memória não nos falha, o Germinal agilizou a estrutura para a realização, no Parque de Campismo aberto de Montemor-o-Velho, o artes da lua de maio, como um encontro de alternativas e de estilos de vida sustentáveis. Todo o encontro foi realizado com o espírito de entre-ajuda do grupo de apoio do Colectivo, de entrada livre e com uma sopa da pedra para quem não tivesse moedas para comprar as refeições, a única entrada de dinheiro no evento.Com a realização do Vida Verde e encontros afins, pareceu ao Colectivo que o acontecimento do artes da lua deixava de fazer sentido. Porém, permanecia a vontade de se envolver e promover o encontro de espíritos livres.Há dois anos atrás identificámos o tema da alternativa educativa à escola oficial, por parte das famílias e profissionais, como uma necessidade que poderia ser objecto de um novo artes. Por outro lado a valorização do trabalho artesão passou a ser também uma vontade. E pela celebração do equinócio, em Setembro de 2007, realizou-se o artes da lua d'outono, que incluia um Encontro de Educação Alternativa e uma Feira de Artesanato.



....Porque a Educação Alternativa pode ser qualquer uma que se apresente como uma opção em relação à escola tradicional, quisemos começar a definir os nossos ideias.


Este anos de 2008 escolhemos a Educação Integral e Intuitiva, mas para o ano será diferente. Quem sabe Educação Livre.Já durante a preparação do artes de 2008 surgiu a visão de um encontro organizado com as crianças. Um dia. O Encontro das Fadas, Palhac*s e Feiticeir*s começou, assim, por ser uma forma de chamá-las. E no processo de compreender quem são, descobrimos que afinal precisamos de conhecer melhor estes seres mágicos, pois são muito mais profundos do que parecem por aí. .

.

...Endereço Postal
Grupo de Projecto artes da lua d’outono
Apartado 6033 3040 – 005 Coimbra

Correio Electrónico
artes@luadoutono.pegada.net

http://luadoutono.blogspot.com/

Telefones
Geral - Afonso Faria: 96 360 53 78
Programação - Rita Alegria: 96 221 20 29
Mercadilho - Bárbara Sá: 91 884 5078

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

CESL - CÍRCULO de ESTUDOS SOCIAIS LIBERTÁRIOS NA Terra Viva


próx.sessão:quinta-f .9 de Out. 21.00 h.na Terra Viva

"O Anarquismo Social" de F.Mintz ( texto de apoio à discussão a enviar via mail , como anexo , a interessad@s )

C.E.S.L.

HISTÓRIA SOCIAL, MOVIMENTOS SOCIAIS,MODELOS DE ORGANIZAÇÃO LIBERTÁRIA, EXPERIÊNCIAS SOCIAIS, ECOLOGIA SOCIAL, ECONOMIA AUTOGERIDA SUSTENTÁVEL, ÉTICA LIBERTÁRIA, ALTERNATIVAS de INTERVENÇÃO SOCIAL, FILOSOFIA, …

DISCUSSÃO SEMANAL DE TEXTOS DE APOIO
(A publicar AQUI ou/e aENVIAR P/MAIL)

LEITURA E REFLEXÃO INDIVIDUAL COM DISCUSSÃO GRUPAL , VÍDEO-DEBATES,
PALESTRAS

QUINTAS - FEIRAS - 21.30
na TERRA VIVA! AES Rua dos Caldeireiros, 213 – Porto (à Cordoaria)
(E EVENTUALMENTE NOUTROS LOCAIS )

PRÓXIMAS ACTIVIDADES :

-9-30 de OUTUBRO: - CICLO DE TEXTOS sobre ANARQUISMO SOCIAL
( F.A.R.J.-Rio de Janeiro, Frank Mintz, Frederico MALATESTA, etc.) textos de apoio na Terra Viva AES (morada acima) 2ªs, 5ªs e &ªs.15-18.30 h., no site :http;//terraviva.weblog.com.pt e outros locais

Meados de Out. - INÍCIO DE CICLO DE DIVULGAÇÃO sobre a história e obra de NENO VASCO ( aguarda-se para breve o lançamento de publicação de livro sobre a vida e obra do autor)+

-6 de NOVEMBRO:
–VÍD. “REDS”( parte ) e “Makhno e a Ucrânia”(parte) – debate sobre a “Revolução de Outubro” e os anarquistas russos –história e actualidade

No GATO VADIO–Livraria/Bar - Rua do Rosário, 281 –Porto tel. 220131894

Meados de Nov.
-CURSO LIVRE “ANARQUISMO SOCIAL E ORGANIZAÇÃO POPULAR”-c/base em textos da FARJ/FASP (Brasil), FAF e CNT (Franç.), CNT(Espan.), F.Mintz, F.Malatesta e na análise da realidade portuguesa.
-em local a designar

DEIXA O TEU CONTACTO OU INSCREVE-TE ATRAVÉS DO MAIL:
<>

MAIS INFORMAÇÕES : 967694816




domingo, 5 de outubro de 2008

8º ANIVERSÁRIO DA C.O.S.A.


Dia 14, 3ª-feira

15h: Workshop de Fibra de Vidro
17h: Paintball com fisgas
22h: CONCERTOS:
. Insulto
. Tintura D'Ódio
. Disastro Sapiens

Na Kÿlakancra
Vila Okupada dos Subúrbios de Setúbal

(ver mapa)

Dia 15, 4ª-feira




21h: Passagem do filme Bab Sebta, seguida de conversa com os autores.

No Espaço Lança (antiga Zaragata)
Estrada da Graça, nº190


Dia 16, 5ª-feira

19h: Debate à volta de um Lanchinho
. Questões de género:
"Rapaz vs rapariga ou pura estupidez?"
"Eu, Tu, Elx, Nós, Elxs, ..."

na COSA


Dia 17, 6ª-feira

Pela noite dentro...

FESTA CASINO
com Torneios de Gambling
Karaoke
Dj Arthrit (2ª aparição desde o milagre de fátima)

Na COSA


Dia 18, Sábado

15h: FESTA, Xurrascada e Cinema na rua, para amigxs e vizinhança
21h30: Projecção de documentário sobre lutas nas prisões da grécia


8 anos de ocupação
Casa Okupada de Setúbal Autogestionada
Rua Latino Coelho, nº2
Bairro Salgado


cosanossa@gmail.com





3 e 4 de Outubro - Colóquio internacional sobre o pensamento de Max Stirner - Faculdade de Letras Da Universidade de Lisboa - Entrada Livre


O encontro internacional „A actualidade de Stirner“, que foi organizado em 2006 por ocasião do 200° aniversário de Max Striner, mostrou que a crítica tem uma importância destacada para o filósofo e, em geral, para os jovens Hegelianos.
O colóquio em Lisboa tenta desenvolver este pensamento, mas com uma conotação diferente. Será abordado a crítica de religião de Stirner, a crítica da teoría de conhecimento de então, a crítica de Stirner a Proudhon, mas também a crítica à qual Stirner foi exposto por parte de Gustav Landauer e Georg Simmel.
http://www.goethe.de/ins/pt/lis/ver/pt3745880v.htm
http://www.fl.ul.pt/agenda/coloquios.html .
.
.
.
.
.A crítica de Stirner e a crítica a StirnerDIE KRITIK STIRNERS UND DIE KRITIK AN STIRNER Colóquio luso-alemão sobre Max Stirner Lisboa - 3 e 4 de Outubro de 2008 3 de Outubro
Faculdade de Letras - Universidade deLisboa - Anfiteatro III.
.
.
.
9hAbertura e Apresentação.
10hJosé Barata-Moura (Lisboa): Stirner: da nadificação ao momento ético da intimidade proprietária / Stirner: von der Vernichtung bis zum subjektiven ethischen Moment
11hBeate Kramer (Berlin): A Plaidoyer as to why Science is not Religion: Stirner and Feyerabend 12hFrank Hansel (Berlin): Wie hast du’s mit der Religion: Religionskritik nach Stirner / Qual é para ti o significado da religião? Crítica da religião de e após Stirner
.
.
Pausa.
.
.
14h30Nikos Psarros (Leipzig): Aristoteles – ein Anarchist, Stirner ein Aristoteliker? /Aristóteles, um anarquista - Stirner, um aristotélico?
15h30Adriana Veríssimo Serrão (Lisboa): La demande de Feuerbach a Stirner: "que veut-il dire être un individu?”
16hGeert-Lueke Lueken (Leipzig): For and Against Stirner. Gustav Landauer's Way to Communitarism/ Com Stirner contra Stirner.A via de Gustav Landauer para o comunitarismoCoordenação: Bernd Kast e Adriana Veríssimo SerrãoOrganização: Departamento de Filosofia da Universidade deLisboa e Max Stirner Gesellschaft (Leipzig) Com o apoio da Cátedra A Razão (Universidade de Lisboa)
17hJosé Manuel Teixeira da Silva (U. Beira Interior): Liberdade de imprensa, censura e formas de dominação / Pressefreiheit, Zensur und Herrschaftsformen.
.
.
.

4 de Outubro
Goethe-Institut - Campo dos Mártires da Pátria 36 – 37.
.

.

9h.Bernd Kast (Lisboa): Stirner e SimmelMaurice Schuhmann (Berlin): StirnersProudhonkritik vor dem Hintergrund der junghegelianischenProudhonrezeption / A crítica deStirner a Proudhon à luz da recepção de Proudhonpelos jovens HegelianosJannis Touras: Der Substanzbegriff bei Hegel undStirner / O conceito de substância em Hegel e StirnerGerhard Senft (Wien): Stirner und die Kritik derPolitischen Ökonomi.
.
.

As conferências serão proferidas em inglês, francês, alemão e português
ENTRADA LIVRE.
.
.
Acerca de Stirner.
.
.
.
A publicação de O Único e a sua Propriedade em 1844 caiu como um relâmpago no meio da agitação de Berlim. O seu autor, Max Stirner, faz aí o anúncio de que Deus morrera, segredo que se procurava manter oculto a toda a custa e que Nietzsche repetiu estentoricamente, com bem mais sucesso. Mais grave ainda, como Sade antes dele avisa que, desaparecido o Senhor dos senhores, já não reconhece mais nenhum. A euforia que se seguira à revolução estava a ser dissipada pela seriedade do Estado, do povo ou da humanidade. Radicalizando o contrato moderno Stirner não reconhece outra soberania que não a do único, que se nega a cedê-la ou transferi-la para o Estado. Não é loucura pôr-se em pé de igualdade com o Estado ou a Humanidade, confrontá-los numa guerra de corpo a corpo? A afirmação de Joseph Beuys de que cada um é soberano ainda pode passar, porque se mantém dentro da arte, mas aquilo que Stirner tem para dizer, por afectar a vida, já no cabe em nenhum domínio. Mas se pode dizer algo sobre a vida, é porque se trata da sua vida… da vida de cada um de nós.Durante muito tempo Stirner só foi lido clandestinamente. Uma espécie de maldição assinalou este livro. A censura da época bem hesitou, sem saber que fazer dele. Para o primeiro censor, que proibiu a sua publicação, era uma obra de barbárie, que atacava todos os valores, e se arrogava direitos absolutos sobre a propriedade e a vida. Criminoso, portanto. Para o Ministro que autorizou a publicação era um livro «demasiado absurdo para ser perigoso». Louco, portanto. Acima de tudo é um livro que sempre resistiu à leitura, que parecia exceder a todas. Quando a revolução se tornou questão de futuro opõe-lhe a revolta permanente para impedir que a que já tinha ocorrido se estabiliza e estiole. Quando o Estado liberal se procurava implantar timidamente, faz uma crítica demolidora do direito. Quando o comunismo de Marx começa a demolir o liberalismo, sustenta que a comunidade perfeita e o «Homem» são a forma culminante da servidão. Para Stirner são tudo formas de dominação. Stirner descobre que a dialéctica hegeliana do senhor e do servo mais do que chegar ao fim, tornando todos senhores, desembocou antes numa dominação psicotrópica, em que são os próprios indivíduos que ficam obcecados, fascinados, entusiasmados, com os espectros que os possuem. Muito antes da análise das perversões por Freud, da crítica do espectáculo ou da economia do entretenimento já Stirner estava a construir as primeiras armas para o combate.Stirner rapidamente deixa de escrever, a sua vida é uma série de fracassos. Não são fracassos «belos» à Kafka, mas fracassos sem mais. Stirner morre na miséria, depois de ter sido preso por dívidas, mas o livro fez um caminho subterrâneo até nós, usando os sucesso de outros para se difundir. Passa através de Marx e Engels que dedicam mais de 300 páginas para o demolirem, e que ocultam o texto. O Ideologia Alemão é publicado apenas nos anos 30 do século passado, e incompleta. Mas a ideia de mais valia, a noção de «fixação» rebaptizada em fetichismo, as «argúcias teológicas» da mercadoria, são metamorfoses de temas stirnerianos, que permanecem puro e duros no interior daquilo mesmo que os nega. Passa através de Dostoyevsky que em Crime e Castigo o dá a ver e o anula no próprio corpo de Raskolnikov. O crime é Stirneriano e o Castigo é a possibilidade da sua superação. Dostoyevsky leu mal Stirner, e por isso mesmo o crime impressionou mais do que o castigo. Passa também através de Nietzsche que nunca o cita, embora se saiba ter que receou que um dia pudesse ser considerado um plagiador de Stirner. Nada isso, mas nos temas da morte de Deus, do super-homem, mesmo o eterno retorno ou no «grande criminoso» são, no mínimo, antecipados por Stirner.A natureza provocatória da escrita stirneriana, o riso sardónico que irrompe imparavelmente ao lê-lo, a defesa do crime como última ratio da soberania, o ideia de que a singularidade só pode ser entendida como monstruosidade, facilitaram todas as leituras condenatórias, propiciaram todas as vitórias fáceis que venciam à custa de reduzir o livro à patologia criminal ou à loucura de Stirner. Os inimigos, mas também os amantes de Stirner reduziram-no a fórmulas, mas o Único é a anti-fórmula por excelência. É algo que fica para além de todo o discurso, de toda a instituição, como um Minotauro que tivesse saído do labirinto, com os altos muros cercados por humanos, que espreitam para dentro, desenrolam o fio de Ariana, lhe oferecem sacrifício. Olhando do de longe, às vezes misturando-se na multidão, o Único ri-se, pois abandonou esta antiga estrutura sacrificial. O livro é a linha que circunscreve todo o espectáculo e a agitação, e cria ou lugar de onde é possível olhar para tudo isso. E sair em busca de alegria e de prazer. Como os espectadores estão a jeito…Stirner vai retornando. Lá se lhe vai encontrando alguma utilidade. É certo que a sua crítica ao liberalismo, que se repete pela enésima vez, ainda é potente; A sua crítica ao comunismo é mais pertinente do que nunca, e Blanchot, Negri, Nancy parecem trilhar os seus traços. Mesmo a filosofia de onde tinha sido excluído começa a citá-lo timidamente, como sucede com Gilles Deleuze, Michel Foucault ou Pierre Klossowski. Derrida dedica-lhe excelentes análises no seu Spectres de Marx. Homens tão especiais como Pierre Vanderpote ou Roberto Calasso, o lídimo pensador europeu, dedicam-lhe reflexões fulgurantes. Mas foi nas artes que a sua presença se tornou incontornável. Lido por Joyce, Pound, Lewis, Miller, etc. a sensibilidade stirneriana marcou fortemente as revoluções feitas por Francis Picabia e Marcel Duchamp que é o seu herdeiro metafísico. Desde que o Único veio à luz que se pretende fugir do «buraco negro» que tem dentro, a hiperdensidade da vida tudo atrai, para acabar por se cair nele inapelavelmente. Toda a aproximação serve a Stirner. No livro que é a cinza da vida que se consumiu nele linha a linha, letra a letra, ainda braseia a paixão do fracassado Stirner, que muito baixinho diz para não ser ouvido: «Canto porque... sou um cantor. Mas uso-vos para isso, porque... preciso de ouvidos». retirdo do blog Pimenta Negra http://www.pimentanegra.blogspot.com/

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Manifestação pelos direitos dos animais - 4 de Outubro - Lisboa

Manifestação em defesa dos direitos dos animais, convocada pela Animal: dia 4 de Outubro de 2008 - Lisboa

Concentração inicial às 15h em frente à Praça de Touros do Campo Pequeno, de onde a Marcha arrancará em direcção à Assembleia da República.

Cartaz e comunicado da Alternativa Libertária:


Comunicado da Alternativa Libertária contra a Praxe



Anos consecutivos de praxe violenta, humilhante e sexista deitam por terra os esforços dos defensores da praxe, apresentada como uma forma tradicional de integração. Nada podia ser mais falso, a praxe nos moldes em que existe na maior parte das universidades de Portugal é uma espécie de violência doméstica tolerada e que tem como objectivo a subserviência dos caloiros (considerados como inferiores) aos seus colegas mais velhos, veteranos ou não (considerados superiores). Toda uma panóplia de alarvidades teóricas baseadas em princípios medievais são a fonte de inspiração de quem praxa: fazer e ter amigos é a mais comum.
Não é preciso pensar muito para chegar a uma conclusão simples, se para ter 'amigos' tenho que me sujeitar a coisas degradantes como simular sexo, comer merda, ser pintado ou dizer de joelhos 'caloiro é pior que cão', prefiro não ter esses 'amigos' e ter outros que não estabeleçam uma 'amizade' depois de me humilharem.

Portugal é um país de modas, a praxe é uma moda e não uma tradição.
Se há tradição de praxe apenas pode ser remetida para o caso de Coimbra. No entanto, o argumento de tradição (embora seja uma invenção) por si só também não convence. Existem boas e más tradições, tal como existem bons e maus costumes e a praxe a par do bullyng é um mau costume e algo a que nos devemos opôr totalmente. A praxe já matou, a praxe já violou, a praxe já deixou marcas para toda a vida como amputações de membros e marcas psicológicas profundas. A praxe anula o sentimento académico de igualdade e união e incentiva o circo foclórico labrego, vazio de espírito crítico. Não é por acaso que as Associações de Estudantes de Portugal são as menos activas da Europa e só se preocupam com festas, galas, praxes e carreirismo político.

Por estas razões apelamos a todas caloiros que rejeitem a hierarquia imposta por quem é igual a vocês. Apelamos ao boicote e à denúncia daquilo que é a tortura instutucional da praxe.

Alternativa-libertaria@riseup.net

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

BPF-Fábrica do Som-Porto



De volta ao Porto, mas desta feita num local da noite que realmente promove a diversidade e cultura musical, o Beats Play Free apresenta-se na Fábrica de Som dia 3 de Outubro a partir das 23:30 com uma noite dedicada à música livre integrado nas festividades da Inércia Demoparty, um evento dedicado à comunidade underground de criação de audiovisuais. O live act ficarão a cargo de decibeats e home manete. Depois a noite continua em formato dj set pelas mãos de ps da Enough Records e Ogata T3tsuo da MiMi Records.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Mês de Outubro - Ciclo para comemorar a Imprensa Operária - Museu República e Resistência




Dia 2 (Quinta) 18.30h – Quintas da Ciência “Actualidade de Hipócrates” – “O saber Médico na Bacia Mediterrânica no tempo de Hipócrates” pelo Professor Carlos Campos Ventura

Dia 3 (Sexta) 17.00h – Lançamento do livro «Mulheres Republicanas»

Dia 7 (Terça) 18.30h – Ciclo de Conferências – A Batalha: 90 Anos de Imprensa Sindicalista - « O Movimento Operário Português, da Grande Guerra ao Estado Novo (1918-1934)» - Professor Paulo Guimarães – Universidade de Évora

Dia 8 (Quarta) 18.00h – Ciclo de Conferências «O Sistema Politico Português, séc. XIX-XXI: Continuidades e rupturas» - «Eleições, eleitores e representantes no Portugal oitocentista» por Pedro Tavares de Almeida

Dia 9 (Quinta) 18.30h – Quintas da Ciência “Actualidade de Hipócrates” – “A Revolução Hipocrática” pelo Professor Carlos Campos Ventura

Dia 10 (Sexta) – Concerto Aberto – Antena 2 (Durante todo o dia)

Dia 11 (Sábado) 16.00h – Cuba – Documentário e conferência – Associação de Amizade Portugal/Cuba

Dia 13 (Segunda) 18.30h – Ciclo de Conferências «Presença Portuguesa na Etiópia. Dos encontros aos desencontros» por Doutor Abdissa Birratu Gamada

Dia 14 (Terça) 18.30h – Ciclo de Conferências – “A Batalha”: 90 Anos de Imprensa Sindicalista - «A Imprensa Operária nos Tempos da 1ª República» - Professor António Ventura – Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Dia 15 (Quarta) 18.00h – Ciclo de Conferências «O Sistema Politico Português, séc. XIX-XXI: Continuidades e rupturas» - O Sistema Politico na Monarquia constitucional» por Paulo Jorge Fernandes

Dia 16 (Quinta) 18.30h – Quintas da Ciência “Actualidade de Hipócrates” – “O Movimento da Medicina Hipocrática no Século XX” pelo Professor João Ribeiro Nunes

Dia 17 (Sexta) 18.30h – Ciclo de Conferência «O(s) Mito(s) do Capitalismo» por Paulo Fidalgo e Mário Tomé

Dia 18 (Sábado) 15.00h – «Lisboa sem fronteiras» org. Conselho Municipal das Comunidades Imigrantes - CML

Dia 20 (Segunda) 18.30h – Ciclo de Conferências «Presença Portuguesa na Etiópia. Dos encontros aos desencontros» por Doutor Abdissa Birratu Gamada

Dia 21 (Terça) 18.30h – Ciclo de Conferências – A Batalha: 90 Anos de Imprensa Sindicalista - «O Jornal A BATALHA da 1ª República aos nossos dias» - Doutor Luís Garcia e Silva – Jornal A BATALHA / Centro de Estudos Libertários

Dia 22 (Quarta) 18.30h – Sessão Evocativa de José Cardoso Pires Exibição do filme «O Delfim» com a presença do realizador Fernando Lopes

Dia 23 (Quinta) 18.30h – Quintas da Ciência “Actualidade de Hipócrates” – “A Naturopatia Clássica, continuadora do saber Hipocrático pelo Professor Manuel Branco.

Dia 24 (Sexta) 18.30h – Ciclo de Conferências «O(s) Mito(s) do Capitalismo» por Vítor Ramalho e Luís Fazenda

Dia 25 (Sábado) 9.30h/18h – Conferência «A Mulher em Cenários de Guerra» org. Movimento Democrático de Mulheres

Dia 27 (Segunda) 18.30h – Sessão Evocativa de José Cardoso Pires – Exibição do Filme «Casino Oceano» com a presença do realizador Lauro António

Dia 28 (Terça) 18.30h – Ciclo de Conferências – A Batalha: 90 Anos de Imprensa Sindicalista “O DESPERTAR” e as Juventudes Sindicalistas - Dra. Filipa Freitas

Dia 29 (Quarta) 18.30h – Sessão Evocativa de José Cardoso Pires – Exibição do filme «A Balada da Praia dos Cães» com a presença do realizador José Fonseca e Costa


Dia 31 (Sexta) 19.00h – Lançamento do CD «Donos do Lei» da banda Vibração.




Biblioteca Museu República e ResistênciaRua Alberto Sousa, nº 10 A

Telf.: 217802760 Fax.: 217802788

Jornada de Acção contra Pacto Sarkozy para a Imigração - 12 de Outubro - 15h - Martim Moniz - Lisboa


JORNADA DE ACÇÃO
Pela regularização dos(as) indocumentados(as),
contra a onda xenófoba e contra o Pacto Sarkozy


Associações convocam jornada de acção para
domingo, 12 de Outubro, às 15h, no Martim Moniz



Nos dias 15 e 16 de Outubro, o Conselho Europeu reunirá os chefes de Estado e de governo dos 27 para ratificar o "PACTO EUROPEU sobre IMIGRAÇÃO e ASILO", aprovado no conselho de ministros realizado a 25 de Setembro. O Pacto proposto por Nicolas Sarkozy, no contexto da presidência francesa da União Europeia, visa definir as linhas gerais da UE nesta matéria e assenta em cinco pontos fundamentais: organizar a imigração legal, priorizando a adopção do "cartão azul", para recrutamento de mão-de-obra qualificada; facilitar os mecanismos e procedimentos de expulsão e estabelecer nesse sentido parcerias com países terceiros e de trânsito; concretizar uma política europeia de asilo; reforçar o controlo das fronteiras; proibir os processos de regularização colectiva.

Depois da aprovação da Directiva de Retorno, com o voto favorável do Governo português, estas medidas representam mais uma vergonha para a Europa. O tratamento securitário das migrações, a definição de critérios discriminatórios para acesso ao trabalho, o aprofundamento da criminalização da migração, da militarização e externalização das fronteiras através do FRONTEX e a perseguição dos(as) cerca de 8 milhões de indocumentados(as) que vivem e trabalham na Europa - a quem é oferecida a expulsão como única saída -, são medidas que visam consolidar uma Europa Fortaleza, da qual não podemos senão nos envergonhar.

Em Portugal, a recente onda de mediatização da criminalidade e as recentes declarações de responsáveis governamentais que trataram os(as) como imigrantes bodes expiatórios para o aumento da criminalidade, abrem espaço para as pressões xenófobas e racistas, e criam um ambiente propício para a desresponsabilização do Governo. Em causa está a necessidade de regularização de dezenas de milhares de imigrantes que defrontam sérias dificuldades em regularizar a sua situação.

São homens e mulheres que procuraram fugir à miséria, fome, insegurança, obrigados a abandonar os seus países como consequência do aquecimento global e outras mudanças climáticas, ou que muito simplesmente tentaram mudar de vida, mas a quem não foi reconhecido o direito a procurar melhores condições de vida. Tratam-se de pessoas que não encontraram outra opção senão o recurso à clandestinidade, muitas vezes vítimas de redes sem escrúpulos, e que se confrontam com uma lei que diz cinicamente que "cada caso é uma caso", fazendo da regra a excepção e recusando à generalidade dos(as) imigrantes o reconhecimento da sua dignidade humana. Destaque-se a situação dos imigrantes sem visto de entrada, a quem a lei recusa qualquer oportunidade de legalização.

Solidários(as) com a luta que se desenvolve na Europa e no mundo contra as politicas racistas e xenófobas, também por cá vamos lutar pela regularização de todos imigrantes, sem excepção, cada homem/mulher - um documento. É uma luta emergente contra as pretensões de expulsão dos(as) imigrantes, contra a vergonha de uma Itália que estabelece testes ADN como instrumento de perseguição dos ciganos(as), contra as rusgas selectivas, arbitrárias e estigmatizantes, contra a criminalização dos(as) imigrantes, contra a ofensiva das políticas securitárias e racistas, alimentadas pelo tratamento jornalístico distorcido feito por alguns meios de comunicação social. Cientes de que está criado um ambiente de perseguição aos imigrantes na Europa, e rejeitando as pressões racistas e xenófobas dos Governos de Sarkozy e Berlusconi, organizações de imigrantes, de direitos humanos, anti-racistas, culturais, religiosas e sindicatos, decidiram marcar para o próximo dia 12 de Outubro, domingo pelas 15h, no Martim Moniz, uma jornada de acção pela regularização dos indocumentados(as), contra a onda de xenofobia e contra o Pacto Sarkozy.


ORGANIZAÇÕES SIGNATÁRIAS: Acção Humanista Coop. e Des.; ACRP; ADECKO; AIPA – Ass. Imig. nos Açores; APODEC; Ass. Caboverdeanade Lisboa; Ass. Cubanos R.P.; Ass. Lusofonia, Cult. e Cidadania; Ass. Moçambique Sempre; Ass. dos Naturais do Pelundo; Ass. dos Nepaleses; Ass. orginários Togoleses; Ass. R. da Guiné-Conacri; Ass. Olho Vivo; Ass. Recr. Melhoramentos de Talude; Ballet Pungu Andongo; Casa do Brasil; Centro P. Arabe-Puular e Cultura Islâmica; Colect. Mumia Abu-Jamal; Khapaz – Ass. de Jovens Afro-descendentes; Núcleo do PT-Lisboa; Obra Católica Portuguesa de Migrações; Solidariedade Imigrante; SOS Racismo.

CONTRA TODO O TIPO DE OPRESSÃO..


Exmºs Senhores e Senhoras da Direcção da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto
Deparei-me nas instalações da Faculdade de Farmácia com um documento com o título "A Praxe Explicada aos pais e alunos". .
.
Estou a escrever-vos em indignação, já é minha indignação que, os órgãos de autoridade da faculdade, permitam que se exerça, coação, intimidação seguida de humilhação, dentro da suas próprias instalações, por parte de alunos que divertem-se à custa da inocência de quem entra na faculdade, mais indignado fico quando deixam circular este documento que enuncia um determinado de regras que julgo irem contra o próprio código civil, as quais vou enumerar com a esperança que este documento nunca mais seja exposto num sítio público como é a Universidade do Porto:
.
1. Numa parte em que fala em exageros é dito "Todo e qualquer exagero deve ser denunciado ao Conselho de Veteranos, que tratará de punir os responsáveis". Quando se houve falar de violações à integridade física, todos os anos nas praxes, deverá ser o conselho de veteranos o organismo regulador de ofensas à lei? que autoridade terá o conselho de veteranos? A ideia que o conselho de veteranos tem alguma capacidade, ou sequer autoridade de regular abusos, é um atirar areia para os olhos no sentido de manter o secretismo de práticas bárbaras cometidas durante as praxes.
.
2. Depois diz que "Todo e qualquer aluno que não queira estar sujeito à praxe de o fazer, declarando-se "Anti-praxe". Porque é que um aluno a entrar numa faculdade tem de se declarar anti-praxe só porque não quer participar? Esta obrigação é um limite à liberdade, e julgo ser um método de coacção já que poucos querem-se sentir à parte declarando-se anti alguma coisa que não sabem muitas vezes bem o que é, e que só eles respeita a decisão de querer, ou não, experimentar e porquê. E que autoridade tem a própria faculdade, já nem digo o conselho de veteranos, de criar uma regra desse género? isso é sequer legal? e se agora eu para entrar na faculdade tenho de me declarar anti-muçulmano, ou anti-comunismo, só porque não quero exercer práticas religiosas ou seguir certas ideologias?
.
3. Depois declara que, sendo anti-praxe, não se pode andar trajado, ir à queima das fitas ou a qualquer outro evento que seja considerado parte integrante da praxe. O traje é comprado em lojas, e a queima das fitas tem bilhetes à venda para qualquer pessoa. Esta afirmação é uma mentira com o objectivo de fazer com que certos alunos que não queiram participar na parte humilhante da praxe participem porque acham que terão algo a perder. Espero que este documento seja modificado, e que a coacção e intimidação que ocorrem nos corredores da faculdade de farmácia, e de muitas faculdades do Porto, deixe de existir por respeito à liberdade dos indivíduos e convivência saudável entre os estudantes.Se este assunto não for resolvido tratarei de investigar a nível legal como posso impedir a propagação destas mentiras.
Obrigado pela atenção,com os melhores cumprimentos,

Semana Vegetariana - Programação Casa da Horta - Porto


De 29 de Setembro a 5 de Outubro, aproveita as palestras, workshops,descontos em restaurantes e lojas, e promoções diversas, que irão ocorrer de Norte a Sul do país.
.
.
O site oficial: http://www.semanavegetariana.com/, onde podes ver os eventos,promoções e descontos promovidos por cada entidade aderente.
.
.
Na Casa da Horta podes usufruir de:
.
* Durante a Semana Vegetariana, levar um amigo não vegetariano à casada Horta a jantar (prato e sopa) gratuitamente!
.
* Ao almoço, os sócios Amigos da Casa da Horta têm 25% de desconto noMenu (=3,50€), durante a Semana Vegetariana.
.
.
* 30 de Setembro, 18h30: Projecção de documentário e debate "Ovegetarianismo e os direitos dos animais" com a Acção Animal - núcleodo Porto.
.
.
* 2 de Outubro, 18h30: Projecção de documentário e debate "Ovegetarianismo e a ecologia" com o GAIA (Grupo de Acção e IntervençãoAmbiental).
.
.
* 4 de Outubro, 16h00: Oficina de "Iniciação ao vegetarianismo" pela Casa da Horta, Associação Cultural.* 4 de Outubro, 17h30: Troca de experiências entre famílias vegetarianas.
-.
.
* exposição das ilustrações do concurso "ilustra a história do Juvenal, um miúdo vegetariano", durante todo o mês de Outubro.