terça-feira, 27 de maio de 2008

Roberto Freire ( 1923 - 2008 )
















Roberto Freire (1923 – 2008)

LIBERTÁRIO, CRIADOR DA SOMATERAPIA

“Do amor pode-se fazer uma necropsia, nunca uma biópsia.Se eu o examinar, paro de amar.O amor não é para ser entendido,mas sentido, experimentado...” – Roberto Freire (1927-2008)
Faleceu na noite desta sexta-feira, 23 de Janeiro de 2003, em São Paulo , Brasil, o anarquista, escritor, dramaturgo e “antipsiquiatra”, Roberto Freire, aos 81 anos.Nascido em São Paulo
Em 1927, Roberto Freires formou-se em Medicina, especializando-se em psiquiatria.

Nos anos 50 e 60 tomou contacto com as teses de W. Reich e dos teóricos da “antipsiqiatria”, às quais prontamente aderiu. Assim desenvolveu uma linha terapêutica, baseada na harmonia entre o corpo e a mente, a Somaterapia, ligada a sua “filosofia do Tesão”.

Desenvolveu suas teorias em livros como “Viva Eu! Viva Tu! Viva o Rabo do Tatu!”, “Ame e dê Vexame!”, ou, “Sem Tesão Não Há Solução”.

Além da intensa produção dentro de sua própria actividade profissionalRoberto Freire actuou, de forma intensa, também na vida cultural do seu país, como romancista, dramaturgo, cineasta e jornalista.

“Cléo e Daniel”, lançado em 1966, é o seu romance mais famoso, onde já se viam claramente os elementos de sua teoria da Somaterapia.

Assumidamente anarquista ainda que não ligado ao movimento histórico doMLB, no quadro anterior à 2ª Guerra Mundial e á ditadura “Gertulista”, manteve um
activismo constante desde que se vinculou ao Movimento Libertário Brasileiro.
Colaborou no jornal “O INIMIGO DO REI” na sua última fase e no planeamento do “Congresso Anarquista Brasileiro”, no centenário do 1º de Maio, em 1986.

Em 2000, já muito debilitado pela doença, que o deixara cego e com dificuldades de movimento, afastou-se do activismo libertário, mantendo no entanto os seus contactos e uma intensa actividade intelectual até aos últimos dias de vida.