domingo, 29 de maio de 2011

Ciclo de Cinema José Maria Nunes - 3 a 5 Junho - Lisboa

3 Junho (sexta)
- Documentário "Nunes, Anarquia Visual" (2010) de Medi Terraza
Com presença do realizador 
- Sexperiencias (1969)
de  José Maria Nunes

na Da Barbuda - Largo da Severa, nº 8 (Martim Moniz, Lisboa)

4 Junho (sábado)
- Noche de vino tinto (1966) de José Maria Nunes
Com jantar às 19h30

na BOESG - Biblioteca dos Estragos - Rua das Janelas Verdes 13 - 1º esq. (Santos, Lisboa)

5 Junho (domingo)
- Documentário “La Edad del Sol” (2010) de Sílvia Subirós
- Res publica (2009) de José Maria Nunes

na Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul - Av. D.Carlos I, 61 -1º (Santos, Lisboa)

Ciclo organizado por: BOESG

Quem é José Maria Nunes?

José María Nunes, cineasta considerado o pai da escola de cinema de Barcelona, nasce em 1930 no Algarve. Aos 12 anos emigra com a família para Espanha e nos anos 50 começa a trabalhar em cinema.
Realiza o seu primeiro filme, Mañana, em 1957, depois de já ter participado em vinte e sete filmes nas mais diversas funções. O seu Cinema é definido como pessoal e intransmissível. Guerras, êxodos, repressões, torturas, desejos e ânsias de união e separação são os temas mais abordados pelo Realizador.

Ao longo do caminho, José María Nunes, atravessa uma Ditadura e, como muitos outros realizadores, vê a sua criação “presa”. A limitação à liberdade de expressão no meio cinematográfico era muito difícil de contornar. A obrigatoriedade de apresentar previamente o guião, indispensável para que o filme fosse autorizado, dificultava bastante a produção e se, por fim, o filme chegasse a ser realizado a Censura  proibia-o pelo conteúdo, tal aconteceu com Sexperiencias (1969) e com outros filmes do realizador.
Para além da realização, José María Nunes, escreve ensaios e guiões para outros cineastas, e participa como actor em diversos filmes.

Em 2002, é premiado Melhor Realizador, pelo filme Amigogima, na primeira edição dos Prémios de Barcelona. Os seus filmes são exibidos nas salas de cinema em Barcelona, Palma de Maiorca, Girona, Cinemateca Nacional de Madrid, canal de televisão espanhola TV2, Centro Pompidou em Paris, e em festivais de cinema na Europa e no Brasil, entre outros.

José María Nunes realiza catorze filmes. A sua última obra intitula-se Res publica (2009), filme com um único actor, José María Blanco, em que Nunes afirma

Cada indivíduo puede decidir su libertad”.