quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Às 5ªs na COSA: dia 30/09 - Jantar + Debate

Na COSA
esta quinta-feira, dia 30 de Outubro

Jantar às 20h

Às 21h:

"Debate sobre teorias anti-desenvolvimento"
Um olhar crítico sobre alguns movimentos/teorias que estão contra o modelo de desenvolvimento que o capitalismo quer impôr - incluindo o "sustentável"!
Entre outros, pretende-se falar, não muito extensivamente, sobre o Primitivismo, o Decrescimento Económico e o "Anti Desarrollismo". Com o objectivo de comparar as diferentes perspectivas e perceber onde é que cada um@ se revê e com o que é que discordamos. Idealmente, debater-se-á a construção de uma crítica ao grande projecto do desenvolvimento capitalista, que assente em princípios anarquistas e que possibilite uma luta que não corra o risco de ser recuperada.

**************************************************************************************

“O desenvolvimento “sustentável” resume-se à aceitação das regras da OMC, à perspectiva para algumas grandes empresas de privatizar um pouco mais sectores como a água, a alimentação, a saúde, serviços outrora gratuitos ou quase, e que tornar-se-ão cada vez mais caros.”
“Trata-se de um problema de pura lógica: como o decrescimento é necessário e inevitável, e como o capitalismo não saberá sobreviver sem um crescimento contínuo, então o capitalismo deve desaparecer.”
Jean-Pierre Tertrais, in “Du Développement à la Décroissance: de la nécessité de sortir de l’impasse suicidaire du capitalisme”

"A vida antes ou fora da civilização é agora definida mais especificamente como existência social antes da domesticação de plantas e animais. Cada vez mais evidências indicam que a vida antes da passagem Neolítica de um modo de vida forrageador ou coletor caçador para um modo de vida agricultor, a maioria das pessoas teriam amplo tempo livre, uma considerável autonomia e igualdade sexual, um ethos de igualitarismo e comunidade, não existindo violência organizada.
(...) É aqui que uma alternativa primitivista começa a emergir. Uma documentação sempre crescente da pré-história humana como um largo período de vida não alienada que se ergue em agudo contraste contra o crescente fracasso da insustentável modernidade."
John Zerzan, in Anarchy: A Journal Of Desire Armed

"Para que el antidesarrollismo llene de contenido las luchas sociales ha de surgir una cultura política radicalmente diferente a la que hoy predomina. Es una cultura del “no”. No a cualquier imperativo económico, no a cualquier decisión del Estado. No se trata pues de participar en el juego político actual para contribuir en la medida que fuere a la administración del presente estado de cosas. Se trata mejor de reconstruir entre los oprimidos, fuera de la política pero en el seno mismo del conflicto, una comunidad de intereses opuestos a dicho estado. Para eso la multiplicidad de intereses locales ha de condensarse y reforzarse en un interés general, a fin de plasmarse a través del debate público en objetivos concretos y alternativas reales. Una comunidad así ha de ser igualitaria y estar guiada por la voluntad de vivir de otro modo. La política antidesarrollista se basa en el principio de la acción directa y la representación colectiva, por lo que no ha de reproducir la separación entre dirigentes y dirigidos que conforma la sociedad vigente. "
Miguel Amorós, in Manifiesto del 7 de marzo de 2010

++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Na Casa Ocupada de Setúbal Autogestionada
R. Latino Coelho, nº2
Bairro Salgado
Setúbal